Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Isolado, Dinamite deve ter papel secundário nas eleições de 2014

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

O rebaixamento do Vasco para a Série B do Campeonato Brasileiro está tendo vários reflexos na vida política do clube, que passou a pegar fogo desde segunda-feira, com movimentações de bastidores que estão deixando cada vez mais isolado o presidente Roberto Dinamite. O ex-jogador deverá ter papel secundário no pleito que vai acontecer no fim de 2014. Vários aliados de Dinamite já estão trabalhando para a formação de uma chapa independentemente do posicionamento do atual presidente.

A decisão do empresário Fernando Horta, presidente da escola de samba Unidos da Tijuca, fez com que aliados de Roberto Dinamite percebessem uma possibilidade de um nome forte capaz de impedir o retorno do ex-presidente Eurico Miranda, principal nome da oposição. A candidatura de Horta, inclusive, pode fazer com que alguns nomes da situação, como Olavo Monteiro de Carvalho, presidente da Assembléia Geral e aliado político de Dinamite, desistam de lançar Jorge Salgado. Nos bastidores de São Januário, há quem diga que Salgado é o preferido de Dinamite.

A candidatura de Fernando Horta, inclusive, já carrega, pela força do empresário, a possibilidade de contar com o apoio de pequenos grupos de oposição, como o Cruzada Vascaína, que tem Leonardo Gonçalves como nome mais expressivo, e o Pró Vasco, do ex-vice de Marketing Eduardo Machado. Até mesmo Pedro Valente, ex-aliado político de Eurico Miranda e inimigo declarado do atual presidente, vê com bons olhos apoiar Horta.

Divulgação/Vasco da Gama
Ídolo dos cruz-maltinos como jogador, Roberto Dinamite se elegeu presidente do Vasco em 2008
Neste cenário, a eleição presidencial contaria apenas com três chapas, sendo a de Fernando Horta, a de Roberto Dinamite e a de Roberto Monteiro, que tem como aliado José Hamilton Mandarino, ex-vice-presidente de futebol de Dinamite. Com essas possibilidades, fica cada vez mais evidente que Roberto Dinamite deverá se tornar uma espécie de "Rainha da Inglaterra" na eleição vascaína. O presidente está cada vez mais desprestigiado e a cada dia que passa perde o apoio de conselheiros. Tem inclusive até mesmo aliados que estão acenando com o apoio a Eurico Miranda. Na internet, algumas torcidas organizadas estão preparando uma abaixo-assinado exigindo, inclusive, a renúncia de Dinamite.

Nos bastidores de São Januário, ninguém acredita que Roberto Dinamite possa mudar muito a sua imagem a tempo da eleição. Mesmo uma grande campanha na Série B do Campeonato Brasileiro não deverá animar torcedores e conselheiros. Mesmo assim, o atual presidente age para começar a mudar sua imagem e já abriu negociações para contratar Rodrigo Caetano, que já foi seu diretor de futebol e que na terça-feira foi dispensado pelo Fluminense. O dirigente conta com o carinho dos torcedores vascaínos.

Ainda em relação ao próximo ano, Dinamite deverá confirmar nos próximos dias a permanência de Ricardo Gomes como diretor de futebol em 2014. Uma reunião entre as partes está prevista para esta quinta-feira. Antes mesmo de saber se vai ficar, Gomes está com a missão de acertar a renovação de contrato do técnico Adilson Batista, que já deixou a situação encaminhada com o clube e até adiou a viagem para o Sul, onde passará as festas de fim de ano, para assinar o novo vínculo, por um ano, com o clube da Colina. A ideia da diretoria é ter boa parte do elenco definido, assim como o departamento de futebol, em 6 de janeiro, quando o plantel se reapresenta visando o Campeonato Carioca.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade