Futebol/Bastidores - ( )

Sem adversário, Ilídio Lico é aclamado presidente da Portuguesa

São Paulo (SP)

A Portuguesa já tem um novo presidente para o próximo triênio. De 2014 a 2016, o clube do Canindé será conduzido por Ilídio Lico, que foi aclamado para o cargo por não ter sido criada nenhuma chapa adversária. A nomeação foi feita na noite da última segunda-feira, em cerimônia que serviria apenas para anunciar os novos membros do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF).

Lico trabalhou como vice-presidente nos anos 1990, quando teve o nome envolvido em casos de suborno e chegou a correr riscos de ser afastado do ambiente esportivo pela Federação Paulista de Futebol (FPF). Conselheiro vitalício da Lusa, o dirigente assume a presidência em substituição a Manuel da Lupa, para quem perdeu as eleições do final de 2010.

Após dois mandatos com resultados expressivos há duas décadas, como o vice-campeonato nacional de 1996, Lico espera resgatar os “tempos áureos” do time rubro-verde. “Nos oito anos seguidos em que estive no futebol, em três consecutivos nós ficamos entre os melhores clubes do Brasil”, relembrou o novo presidente em entrevista ao site da FPF.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Lico (à esq.) havia sido derrotado por Manuel da Lupa em 2010, mas agora não encontrou concorrentes na disputa
Apesar de aparente clima de paz com a gestão anterior, já que o atual vice-presidente de futebol Roberto dos Santos assumirá o posto de vice-presidente geral, Ilídio Lico não deixou de fazer críticas a Manuel da Lupa: “Ele ficou nove anos no cargo e não conseguiu fazer o melhor, mas não sei se por falta de sorte ou outra coisa. Nesse período não colocamos nenhum jogador na Seleção Brasileira e isso dificulta muito para vender um atleta”.

Com estreia marcada no Campeonato Paulista para o dia 18 de janeiro diante do Corinthians, Lico e seus dirigentes terão pouco tempo para organizar o planejamento da temporada 2014. E para atenuar os prejuízo do prazo curto, o presidente aclamado espera que os dirigentes que cumprem os últimos dias no cargo possam colaborar com o futuro da Lusa.

”A atual administração precisa ter bom senso de abrir espaço para nos programarmos. O Paulistão começa no dia 18 e é necessário que tenhamos essa abertura para iniciarmos os trabalhos. O elenco tem uns 45 atletas e do que conheço sobre futebol isso está errado. É muito jogador, não tem cabimento. Não é isso que eu quero”, sentenciou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade