Futebol/Campeonato Brasileiro Série A - ( - Atualizado )

Torcida da Lusa se reúne e acompanha julgamento com espírito de jogo

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Ainda com esperanças de ver seu clube reverter a decisão da 1ª Comissão do STJD, a torcida da Portuguesa se reuniu na sede da Leões da Fabulosa, nos arredores do Canindé, para acompanhar a realização do Pleno, na manhã desta sexta-feira. Se alguns já classificavam o episódio como a 40ª rodada do Campeonato Brasileiro, a reação de boa parte dos rubro-verdes reiterou a afirmação. Entre gritos, críticas e aplausos, os torcedores viveram um dia de jogo e sucumbiram a uma dura derrota por 8 a 0.

As primeiras vaias e críticas apareceram antes mesmo do início do julgamento. Ao ver o rosto do presidente Manuel da Lupa na televisão, os membros da Leões da Fabulosa não demoraram a iniciar os protestos, evidenciando o que já foi constatado em alguns jogos no Canindé. O mandatário chega ao fim de seu mandato na próxima segunda-feira sem conseguir manter um bom relacionamento com a torcida organizada do clube.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Na sede da Leões da Fabulosa, a torcida da Portuguesa acompanhou o julgamento como se fosse uma partida
A atuação de João Zanforlin, advogado da Portuguesa, também foi avaliada. Enquanto alguns discordavam, outros diziam ter confiança no responsável pela defesa rubro-verde. Ao fim do discurso, no entanto, os aplausos foram unânimes, uma forma de demonstrar a esperança em um resultado diferente daquele dado pelo Tribunal no dia 16 de dezembro.

Os vilões também foram escolhidos. Ao longo do discurso de Paulo Schmidt, vaias e duras críticas com relação ao procurador-geral do STJD puderam ser ouvidas. As atitudes foram semelhantes quando Mário Bittencourt, advogado do Fluminense, defendeu a sua tese. “Estamos na arquibancada”, disse um torcedor indignado com o andamento do julgamento.

As manifestações, porém, cessaram com os pareceres dos auditores responsáveis pela condenação. Após o longo voto do relator Décio Neuhaus, os torcedores já não conseguiam esconder o semblante de preocupação. Com os votos seguintes, a maioria já não acompanhava mais o julgamento. Era preciso aceitar mais um rebaixamento na história do clube, desta vez fora de campo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade