Futebol - ( - Atualizado )

Valorizado, Tite vê trabalho “ilusório” no exterior sem domínio do idioma

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Valorizado ao fim de uma passagem vitoriosa pelo Corinthians, Tite está em negociações com a mulher sobre o tempo que ficará sem trabalhar. Rosmari quer mais atenção por “três ou quatro meses”. O técnico quer menos, mas sabe que dificilmente seu destino, após esse período, será um país como a Inglaterra. A Itália o agrada mais.

“Onde eu não domino a língua é ilusório. Como vou fazer um treino tático, como fiz hoje, se não tenho o domínio do inglês? Vou fazer, mas sem excelência. Em Portugal, é possível. Na Itália, eu compreendo, mas teria que me atualizar. Entendo tudo, mas meu italiano é de 50 ou 60 anos atrás, aprendi com meus bisavós”, afirmou.

Até mesmo a Espanha, de idioma próximo ao português, onde fracassou Vanderlei Luxemburgo, representaria dificuldades. “Podem dizer que espanhol é muito fácil, mas, para atingir excelência no trabalho, não. Sem dominar o idioma, você pode ir com outros objetivos, para adquirir experiência de vida, convívio. Como fiz nos Emirados Árabes, mas não tinha a pretensão de atingir um nível de excelência lá.”

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Atraído pela Itália, Tite já fala com as mãos; ele não quer repetir os fracassos de Felipão e Luxemburgo
Por enquanto, porém, Tite prefere não divulgar planos específicos. Depois de recusar uma oferta da China, ele diz apenas que pretende conversar com Zagallo e Carlos Bianchi, assistir no estádio a partidas do Barcelona e do Bayern de Munique, fazer um curso de técnicos da Uefa, em fevereiro, em Portugal, e dar a atenção cobrada pela família.

“É uma etapa para eu ser marido um pouco, um pouco mais pai, um pouco filho, irmão”, afirmou o gaúcho, negando ter estabelecido um período de seis meses de descanso. “Não falei seis meses. Estou negociando. Minha esposa quer três ou quatro meses. Eu quero menos porque sei que vou ser chato, ficar com a tromba desse tamanho, vendo futebol o dia inteiro. Até a Rose falar para minha filha: ‘Não dá mais para aguentar, sai de perto dele’”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade