Futebol/Bastidores - ( )

Por títulos em 2014, Ceni orienta reforço e faz academia nas férias

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Rogério Ceni não renovou contrato com o São Paulo à toa. Prestes a completar 41 anos, em janeiro, o goleiro-artilheiro pretende encerrar a carreira com ao menos um título importante. Por isso, antes mesmo do fim de 2013, ele já tem tomado medidas referentes à próxima temporada. Como orientar a quem chega como deve se comportar e, mesmo de férias, fazer academia.

Após o último compromisso do ano (derrota para o Coritiba, pelo Campeonato Brasileiro), ele foi ao CT da Barra Funda, na segunda-feira, e encontrou Luis Ricardo, único reforço contratado até o momento. Chamado de canto depois de complementar os exames médicos, o lateral direito ouviu os mandamentos de como se firmar com a camisa tricolor.

Divulgação
Goleiro costuma passar férias nos Estados Unidos
Na cartilha verbal, Ceni destacou a importância que o técnico Muricy Ramalho dá aos horários e ao comprometimento diário nos treinamentos. Falou ainda que acredita no potencial do reforço – que o vazou na derrota da Portuguesa por 2 a 1 para o São Paulo, no segundo turno da competição nacional – e espera que ele não siga o caminho de alguns que se acomodam por simplesmente chegar a um clube grande.

O capitão fez o mesmo com outros atletas no passado. Fez em outro tom com o zagueiro Lúcio, por exemplo, no início do ano. Mas os conselhos ao ex-companheiro de Seleção Brasileira não surtiram muito efeito: meses depois, o defensor acabou sendo afastado por Paulo Autuori, técnico que antecedeu Muricy Ramalho, sob a justificativa de indisciplina.

O fracasso de Lúcio foi apenas um dos pontos negativos da talvez pior temporada de Ceni no São Paulo. Durante a luta contra a queda à segunda divisão nacional, o goleiro admitiu que nunca havia sofrido tanto. Muricy revelou que o camisa 1 confessou o receio de manchar a carreira com um rebaixamento, e outras pessoas próximas apostam que ele até perdeu peso.

A sofrível campanha o deixou em dúvida se deveria ou não estender a carreira, como queriam treinador, torcedores e dirigentes. No fim, porém, acabou se convencendo de que se aposentar em seu ano profissionalmente mais difícil não seria o melhor. Incentivado pelas boas atuações recentes e pelos bons resultados nos exames médicos antecipados, sentou-se à mesa com o presidente Juvenal Juvêncio e prolongou o vínculo por mais um ano.

Depois de assinar a renovação e conversar com Luis Ricardo, ele partiu para as férias. Mas não se desligou totalmente do trabalho. Apesar de ter visitado o pai em Sinop, no Mato Grosso, e viajado com a família para Miami, nos Estados Unidos, Ceni comprometeu-se a continuar fazendo exercícios aeróbicos e fortalecimento muscular. Para adiantar a pré-temporada, o goleiro quer se reapresentar, na manhã de 6 de janeiro, com mínimo de 60% de seu condicionamento físico ideal.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade