Retrospectiva - ( )

Brasil bate recorde em Mundiais e tem melhor ano pós-olímpico da história

André Sender São Paulo (SP)

No primeiro ano do ciclo que culminará nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016, os atletas brasileiros bateram recorde de conquistas em Campeonatos Mundiais ou competições equivalentes. O País esteve no pódio de provas olímpicas nestes torneios em 27 ocasiões, um recorde, superando as expectativas traçadas pelo Ministério do Esporte e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB).

As 27 medalhas conquistadas em 2013 deixam o Brasil entre os dez países com melhor desempenho no ano, justamente a meta traçada para as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016. Em Londres-2012, foram 17 pódios, o que deixou o País na 16ª colocação no ranking de número de medalhas.

“Na nossa avaliação é o melhor início de ciclo olímpico da história do Brasil. Se comparar com 2009, tínhamos 11 medalhas em provas olímpicas em Campeonatos Mundiais”, afirmou o secretário Nacional de Esporte de Alto Rendimento, Ricardo Leyser. “A gente talvez não esperasse já em 2013 ter essa situação. O Ministério projetava para esse ano 20 ou 22 medalhas. Quando dá esse salto, é porque realmente deu tudo muito certo”, explicou.

Das 27 medalhas conquistadas por brasileiros em provas olímpicas este ano, oito foram de ouro: Rafaela Silva no Mundial de judô no Rio de Janeiro, Jorge Zarif no Mundial da classe Finn de vela, Cesar Cielo, nos 50m livre, e Poliana Okimoto, nos 10km da maratona aquática, do Mundial de esportes aquáticos de Barcelona, Arthur Zanetti, nas argolas no Mundial de ginástica artística da Antuérpia, da Seleção feminina de vôlei no Grand Prix, Robert Scheidt no Mundial da classe Laser de vela, e da Seleção feminina de handebol no Mundial da Sérvia.

AFP
Cesar Cielo se tornou tricampeão dos 50m livre no Mundial de esportes aquáticos de Barcelona

As dez pratas saíram com Érika Miranda, Rafael Silva e Maria Suellen Altheman no judô, Yane Marques no Mundial de pentatlo, Ricardo e Álvaro Filho no Mundial de vôlei de praia, Seleção masculina de vôlei na Liga Mundial, Ana Marcela Cunha nos 10km da maratona aquática, Martine Grael e Kahena Kunze, no Mundial da classe 49er FX de vela, Seleção de hipismo na Copa das Nações e Robson Conceição no Mundial de boxe do Cazaquistão.

Já os nove bronzes foram de Lili e Bárbara Seixas no vôlei de praia, Felipe Lima, nos 100m peito, e Thiago Pereira, nos 200m e 400m medley, do Mundial de Barcelona, Everton Lopes no boxe, Guilherme Dias no Mundial de taekwondo do México, Isaquias Queiroz no Mundial de canoagem da Alemanha e Sarah Menezes e Mayra Aguiar no judô.

“Nós temos um colegiado no COB junto com as confederações em que monitoramos quase todos os atletas top-25 de suas modalidades, hoje estamos com 196. Toda segunda-feira a gente vê tudo o que aconteceu com cada um deles: ficou doente, foi na competição, trocou de treinador, de namorada. Assim você não é surpreendido”, avaliou Marcus Vinicius Freire, superintendente executivo do COB.

Apesar de a maioria das medalhas do Brasil terem saído em modalidades em que o País já apresenta certa tradição, como a vela e o vôlei, atletas nacionais conquistaram resultados inéditos em 2013. Isaquias Queiroz, por exemplo, conseguiu as duas primeiras medalhas da história da canoagem no Mundial. Ele foi bronze no C1 100m e ainda conquistou o ouro no C1 500m, prova que não consta no programa dos Jogos Olímpicos e por isso não aparece na contabilidade do Ministério do Esporte e do COB.

A Seleção feminina de handebol nunca havia ultrapassado as quartas de final de uma competição de alto escalão e voltou para o Brasil em dezembro com o título do Mundial, derrubando em sua campanha equipes como a Dinamarca, tricampeã olímpica, e a Sérvia, anfitriã do torneio, na final.

“Isso nos dá mais confiança para esse ciclo esse ciclo e torna mais palpável o objetivo de ficar entre os dez primeiros nas Olimpíadas, que é ousado. É uma meta que necessita de certo esforço extra. Sem ele, não dá para atingir. E agora em 2013 ela se tornou mais concreta. As pessoas viram que está mais próxima do que a gente pensava”, avaliou Leyser.

A decepção da temporada foi o Mundial de atletismo, em Moscou, em que o País não conquistou medalhas. O desempenho frustrante, igual ao da modalidade em Londres-2012, fez com que a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) traçasse um plano emergencial voltado para as Olimpíadas do Rio de Janeiro-2016.

AFP
Seleção Brasileira de handebol conseguiu o inédito título do Mundial da modalidade

Veja as medalhas do Brasil em 2013 em Mundiais ou competições equivalentes:

Ouro:
Rafaela Silva – categoria -57kg no Mundial de judô do Rio de Janeiro
Jorge Zarif – Mundial da classe Finn de vela em Tallin
Cesar Cielo – 50m livre no Mundial de esportes aquáticos de Barcelona
Poliana Okimoto – maratona de 10km no Mundial de esportes aquáticos de Barcelona
Arthur Zanetti – argolas no Mundial de ginástica artística da Antuérpia
Robert Scheidt – Mundial da classe Laser de Omã
Seleção Brasileira feminina de vôlei – Grand Prix
Seleção Brasileira feminina de handebol – Mundial da Sérvia

Prata:
Érika Miranda – categoria -52kg no Mundial de judô do Rio de Janeiro
Rafael Silva – categoria +100kg no Mundial de judô do Rio de Janeiro
Maria Suellen Altheman - +78kg no Mundial de judô do Rio de Janeiro
Ricardo e Álvaro Filho – Mundial de vôlei de praia de Stare Jablonki
Yane Marques – Mundial de pentatlo de Kaohsiung
Seleção masculina de vôlei - Liga Mundial
Ana Marcela Cunha – maratona de 10km Mundial de esportes aquáticos de Barcelona
Martine Grael e Kahena Kunze – Mundial da classe 49er FX de vela em Marselha
Seleção de hipismo – Copa das Nações de Barcelona
Robson Conceição – categoria -60kg do Mundial de boxe de Almaty

Bronze:
Lili e Bárbara Seixas – Mundial de vôlei de praia Stare Jablonki
Felipe Lima – 100m peito no Mundial de esportes Aquáticos de Barcelona
Thiago Pereira – 200m medley no Mundial de esportes Aquáticos de Barcelona
Thiago Pereira – 400m medley no Mundial de esportes Aquáticos de Barcelona
Éverton Lopes - -64kg no Mundial de boxe de Almaty
Guilherme Dias – 58kg no Mundial de taekwondo de Puebla
Isaquias Queiroz – C1 1000m no Mundial de canoagem de Duisburg
Sarah Menezes - -48kg no Mundial de judô do Rio de Janeiro
Mayra Aguiar - -78kg no Mundial de judô do Rio de Janeiro

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade