Atletismo/São Silvestre - ( )

Giovani dos Santos esquece pressão por orgulho de representar o País

Bruno Grossi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

Ao chegar na quarta colocação da Corrida Internacional de São Silvestre do ano passado, Giovani dos Santos ganhou a responsabilidade de ser a esperança brasileira em 2013. Para aumentar as cobranças, o mineiro garantiu que baixaria seu tempo, mas não sentiu a pressão e conseguiu cumprir a promessa graças a um segundo de diferença.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Giovani dos Santos afirma correr para retribuir o carinho e a confiança da torcida brasileira
O atleta havia cravado 44m50s na temporada passada e registrou 44m49s segundo a contagem da 89ª edição da prova de rua mais tradicional da América Latina. Segundo Giovani, o segredo foi deixar a pressão de lado e voltar toda a atenção às orientações de sua equipe técnica e aos desafios durante a corrida.

“Não tem pressão nenhuma, pois sou um cara muito tranquilo, sossegado. Tenho meu fisioterapeuta que, além da recuperação física, também me ajuda a trabalhar minha cabeça para não ter esse tipo de preocupação, esse peso dos resultados anteriores”, revelou o experiente fundista de 32 anos de idade.

Além de não deixar a pressão afetar seu rendimento, Giovani dos Santos tenta tirar proveito da força emitida pelos torcedores brasileiros ao longo do trajeto da São Silvestre. Mesmo com lesão na panturrilha direita, o atleta aumentou o ritmo nos últimos metros e se esforçou para comemorar com direito a ‘aviãozinho’ e socos no ar ao cruzar a linha de chegada.

“Eu corro pela torcida, pelo povo brasileiro, não corro as provas por mim. Tenho orgulho de cruzar a linha de chegada e saber que todos os brasileiros estão torcendo por mim, que estou representando meu País e minha cidade”, ressaltou o mineiro nascido na pequena Natércia, localizada no sul de Minas Gerais.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade