Corrida Internacional de São Silvestre - ( )

Inspirado em pentacampeão da SS, Jean é promessa entre cadeirantes

Lucas Mariano, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Por pouco Jean Carlos dos Santos Correia, de 18 anos, não fez sua estreia na categoria cadeirantes na 89ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, na manhã desta terça-feira. Inscrito, ele se sentiu mal pouco mais de uma semana antes da prova e apenas foi à Avenida Paulista para sentir o clima da mais tradicional corrida de rua da América Latina e acompanhar a quinta vitória de Jaciel Antonio Paulino, um dos principais responsáveis por ajudá-lo a começar na modalidade.

Quem também contribuiu para que Jean tivesse os primeiros contatos com os treinamentos foi Eduardo Leonel, treinador da equipe Fast Wheels, que explicou como conheceu o atleta.

“Estava com Jaciel em uma palestra em um shopping, fazendo um trabalho motivacional quando a mãe dele viu a cadeira e disse: se meu filho estivesse aqui ele já estaria em cima. A gente pediu para conhecê-lo e no começo não tinha nem cadeira para ele. Ele começou a treinar na do Jaciel em cima de um caixote. Hoje o Jaciel não faz parte da equipe, mas foi importante por deixar esse legado e fez parte desse desenvolvimento do Jean”, disse o técnico.

Reprodução/Facebook
Jaciel (á dir.) foi um dos responsáveis por ajudar Jean (à esq.) (Foto: Equipe Fast Wheels)

Tímido, Jean fala poucas palavras, mas ressalta que o esporte mudou completamente sua vida desde que começou a treinar, aos 11 anos. Enquanto isso, Eduardo, que também estava do lado de fora do alambrado vendo Jaciel de preparar para vencer mais uma prova, ressaltou que para o ano que vem o foco é total na São Silvestre. Para isso, seu atleta participará de outras provas ao longo de 2014, como a Meia Maratona da Praia Grande, Jogos Escolares Paralímpicos e também a Volta da Pampulha. Orgulhoso e confiante, o técnico foi além e também projetou a principal meta para o futuro: os Jogos Paralímpicos.

“Eu acredito que para 2020 o Jean pode ser um nome certo. Ele é muito técnico. Ele é um menino muito observador, consegue captar as partes técnicas. Às vezes, a gente nem precisa falar e ele já está fazendo o certo”, comentou.

Sabendo de seu papel na formação de Jean, Jaciel, antes da prova, também não escondeu sua felicidade ao falar sobre a jovem promessa. “Para mim é motivo de alegria servir como inspiração”, comentou.

Reprodução/Facebook
Jean ao lado de Alan Fonteles, um dos maiores nomes do esporte paralímpico no Brasil (Foto: Equipe Fast Wheels) 

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade