Futebol - ( )

Adaptado ao Corinthians, Rodriguinho tem missão de resolver criação

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Rodriguinho é a aposta de Mano Menezes, ao menos no início da temporada, para resolver os problemas ofensivos do Corinthians. E o jogador se julga mais capaz de cumprir a tarefa que lhe foi incumbida por causa das sete partidas que fez em seu ainda curto período no clube.

“Ajuda bastante. Cheguei ao clube em outubro, e teve gente que falou: ‘Por que você não espera até janeiro?’. Foi bom ter vindo antes para ter uma adaptação e me soltar um pouco mais. A pré-temporada também ajudou. Já estou bem mais solto, bem mais leve, e espero poder contribuir”, afirmou.

Adaptado ao clube, o meia de 25 anos espera fazer o que conseguiu no América-MG. Seu estilo dinâmico, com movimentação do meio para os lados do campo e chegadas à frente, foi o que fez Mano dar a ele a responsabilidade de centralizar a armação das jogadas.

Divulgação/Agência Corinthians
Mano Menezes quer Rodriguinho alimentando o ataque do Corinthians com frequência
“O que está dando certo não se muda. Se vim para cá por causa dessas características, não posso chegar e querer mudar. Lógico que tenho muito a aprender aqui. É uma equipe maravilhosa, com um treinador de Seleção, e espero fazer o que fiz no América-MG: servir os companheiros e marcar gols também”, comentou.

“A gente teve poucos treinos ainda, trabalhamos mais a parte física, mas o que o Mano passou foi mesmo para eu alimentar bastante o ataque, criar as possibilidades de finalização, já que o time estava tendo problemas nesse setor. Temos de fazer de tudo para criar mais e finalizar mais”, acrescentou Rodriguinho.

No decepcionante Campeonato Brasileiro do ano passado, o Corinthians marcou só 27 gols em 38 rodadas. Um dos grandes problemas foi a previsibilidade dos movimentos ofensivos, algo que Mano tenta resolver com uma mobilidade maior. Daí a opção pelo meia potiguar, que foi bem no jogo-treino contra o Red Bull, vencido por 2 a 0.

“Foi um treino de razoável para bom na minha autocrítica”, afirmou o atleta, que conseguiu boas jogadas com Danilo pela esquerda. “Aquele lado se deu muito bem. Também tenho liberdade para ir ao lado direito, encostar no Guerrero, entrar na área. Tenho que me movimentar bastante porque a marcação ali é forte. Preciso achar uma forma de escapar e criar boas jogadas.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade