Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Guerrero quer superar crise ofensiva, mas sem 'estilo Mirandinha'

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

As críticas sofridas pelo sistema ofensivo corintiano pelo pífio desempenho no Campeonato Brasileiro do ano passado ainda não foram esquecidas por Paolo Guerrero, que classificou a fase enfrentada pelo setor como uma crise. Escolhido por Mano Menezes para ser o titular do time neste início de temporada, o peruano quer apagar a má fase, mas explica que não assumirá sozinho a responsabilidade de balançar as redes para o Timão.

“Sempre vou falar que jogo para o time. Se puder fazer gol, é bom, mas gosto de ajudar os companheiros. Não sou Mirandinha, como se diz por aqui. Jogo para o time”, afirmou o atleta, que se negou a estipular uma meta de gols para 2014. “Tenho de aproveitar cada oportunidade, mas nunca falo de números”.

Gazeta Press
Mirandinha jogou na Portuguesa na década de 1980

Citado por Guerrero, Mirandinha atuou entre as décadas de 1970 e 1990 por grandes clubes brasileiros, como Corinthians e Palmeiras, e tinha a fama de ser ‘fominha’. Mesmo sem individualismo, o peruano já percebeu que terá uma função importante no time de Mano Menezes nesta temporada.

No primeiro treino coletivo dirigido pelo substituto de Tite, Guerrero ouviu a ordem de não sair da área. Apesar de gostar de jogar justamente no setor em que foi escalado por Mano, o peruano relatou a dificuldade por ter sido proibido de buscar a bola na intermediária.

“Felizmente, ele não me mudou. Estou jogando na frente, estou acostumado assim, como centroavante, pivô. Mas, quando a bola não chega, eu acabo saindo para buscá-la, porque gosto de jogar futebol e de estar com ela. Esta é minha característica de jogo. Quando saí da área, ele falou para eu voltar”, comentou, sorrindo.

Assim como os demais integrantes do sistema ofensivo alvinegro, Guerrero terá a missão de apagar a má impressão deixada no Brasileirão de 2013, quando o clube marcou apenas 27 gols, tendo número superior somente ao do último colocado Náutico, que fez cinco a menos.

“O ataque do Corinthians passou por uma crise, por causa dos gols escassos, mas todo time passa por isso. Depois de sair campeão, passou por algo assim. Nós vamos retomar, porque estamos voltando bem das férias e descansados”, completou.

Divulgação/Agência Corinthians
Paolo Guerrero está proibido por Mano Menezes de sair da área para buscar a bola (Foto: Daniel Augusto Jr.)

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade