Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Botafogo cogitou a contratação de Drogba para o lugar de Seedorf

Rio de Janeiro (RJ)

Não foi só o Santos que estudou contratar o marfinense Didier Drogba, do Galatasaray. Nesta quinta-feira, o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, revelou que cogitou a contratação do centroavante, mas a negociação se tornou impossível quando Drogba renovou seu vínculo com os turcos.

“Chegou a ter (busca para substituir Seedorf). No final do ano passado, estive com uma pessoa que me mostrou a chance de trazermos o Droga. Ele estava na Turquia e o contrato dele se encerraria agora em junho. Entramos em contato com o empresário, abrimos uma negociação sabendo do interesse dele em vir para o Brasil. A coisa caminhou até o final do ano, e ele renovou seu contrato por mais duas temporadas com valores astronômicos. Não conseguimos concluir. Nossa ideia era ter o Seedorf até o meio do ano e depois contar outro com nome de peso. Está complicado”, afirmou Assumpção em entrevista ao Sportv.

Na última semana, o holandês Clarence Seedorf anunciou sua aposentadoria como jogador de futebol para assumir o comando do Milan.

AFP
Astro da seleção marfinense, Didier Drogba despertou o interesse de grandes clubes brasileiros
“A gente entende que ter esse ídolo é muito importante, pois ou se faz em casa, ou traz de fora. Estamos mapeando ao longo desse ano para trazer um jogador desse quilate, é importante para a marca e para a torcida. Temos esperança em alguns garotos, mas ainda é cedo”, disse o presidente.

Pensando a curto prazo, o dirigente garante que trabalha para acertar a contratação de mais um jogador que atue no setor ofensivo. Nesta semana, o Glorioso confirmou a chegada por empréstimo do atacante Wallyson, ex-Cruzeiro, São Paulo e Bahia, por empréstimo.

“Dentro desse planejamento de Libertadores, ainda temos a contratação de um jogador de ataque ou meio/ataque, estamos correndo atrás disso. Adoraria trazer quatro ou cinco jogadores, mas não é a realidade do clube. Pode ser em algum momento. Dentro da realidade e da proposta de passar o clube para um presidente em uma situação mais estável, não cabe nenhum tiro no pescoço, nenhuma coisa infundada e insana”, declarou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade