Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Com escritório contratado pela CBF, Aidar diz: "Sempre fui advogado"

Tarcísio De Lucca, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Carlos Miguel Aidar não viu nenhuma novidade quando o seu escritório de advocacia, o Aidar SBZ, foi contratado pela CBF no caso envolvendo o Campeonato Brasileiro de 2013. O provável sucessor de Juvenal Juvêncio na presidência do São Paulo já havia feito algo parecido em 2005.

Na Máfia do Apito, alguns jogos da competição nacional tiveram resultados manipulados pela arbitragem, e a entidade máxima do futebol, juntamente com a FPF, acabou sendo defendida por ele. “Nunca deixei de ser advogado. Não tem nenhum problema, nenhum conflito”, defendeu-se Aidar para a GE.net.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Provável sucessor de Juvenal, Aidar se defendeu e afirmou que "nem assinará" processo envolvendo a CBF
Desta vez, sua equipe de aproximadamente 120 advogados será responsável pela defesa e pelos recursos contra as liminares dos torcedores – fãs do Fluminense e da Portuguesa, por exemplo, driblaram o STJD e intensificaram a confusão dos rebaixamentos da última temporada.

“Acho que o Estatuto do Torcedor não se aplica nesse caso. Torcedor não tem direito de mudar a Justiça Desportiva”, explicou Aidar, mostrando-se do lado da CBF neste caso. No entanto, ele garantiu que não irá passar nem perto do processo. “Nem vou assinar”.

Diretor jurídico da CBF, Carlos Eugenio Lopes será o responsável pela coordenação da defesa. O elo, inclusive, poderia aproximar o clube do Morumbi da entidade comandada por José Maria Marin, relação desgastada por Juvenal Juvêncio e Ricardo Teixeira.

“Tenho muita proximidade com o Marin e com todos de lá. Nunca tive problema com ninguém. Resumindo, acho que estão me criticando antes da hora, mas é assim mesmo”, encerrou Aidar, que terá a concorrência de Kalil Rocha Abdalla nas eleições são-paulinas, marcadas para abril.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade