Futebol/Copa do Mundo de 2014 - ( - Atualizado )

Discreto, volante Luiz Gustavo não se importa em ser coadjuvante da Seleção

Bruno Landi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

“Eu não tenho vergonha de ficar marcando para os outros aparecerem na frente e fazer gols”. Esta frase, dita por Luiz Gustavo em um evento realizado em São Paulo, nesta sexta-feira, revela muito sobre o homem que ganhou a confiança de Luiz Felipe Scolari e ajudou a dar a segurança defensiva que faltava à Seleção Brasileira que disputará a Copa do Mundo de 2014. Sujeito simples, de palavras conscientes e risos tímidos, o volante do Wolfsburg, da Alemanha, não se importa em assumir um papel de coadjuvante na equipe verde e amarela que buscará o hexacampeonato em solo canarinho.

Quando foi questionado se sentia-se incomodado em ter, possivelmente, o rosto menos conhecido entre os atletas que devem ser convocados por Felipão para o Mundial deste ano, Luiz Gustavo não titubeou. “Não me incomoda, porque eu sou muito tranquilo na minha vida pessoal. E acho que jogar como volante me ajuda muito neste aspecto”, declarou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Lembrado por Mano para dois amistosos, Luiz Gustavo só se firmou com Scolari
“Eu sou muito discreto fora das quatro linhas e dentro de campo também. Lógico que é bom ser reconhecido, mas a Seleção tem outros jogadores que aparecem mais tanto pelos gols, quanto pelas jogadas bonitas. Então eu deixo este papel para eles. Não me importo em ser um coadjuvante”, acrescentou o atleta, que, apesar disto, foi fundamental na conquista da Tríplice Coroa (Campeonato Alemão, Copa da Alemanha e Liga dos Campeões da Europa) pelo Bayern de Munique na temporada passada.

Agora no Wolfsburg, clube de menor escalão no futebol germânico, o volante comemora o fato de ter ganhado espaço na Seleção Brasileira após a chegada de Luiz Felipe Scolari. Além disto, revela que trabalha diariamente para não ser apenas um meio-campista marcador na equipe que deve representar o Brasil no Mundial de 2014. “Eu sou bem tranquilo. Sempre disse que eu só precisava de uma oportunidade, porque todas as chances que tive, eu pude aproveitar da melhor maneira possível", disse.

E com o Felipão e a Seleção não foi diferente: quando ele me convocou pela primeira vez, eu já estava preparado para ser titular”, acrescentou Luiz Gustavo, que, no time brasileiro, tem a responsabilidade de fazer o “trabalho sujo”, como é dito no futebol. Titular ao lado de Paulinho, o jovem de 26 anos trabalha mais defensivamente, para dar liberdade ao ex-corintiano subir ao ataque, um de seus diferenciais.

Apesar disto, Luiz Gustavo conta que não abdica de praticar o seu jogo ofensivo. “Eu tenho comigo desde pequeno que, às vezes, nós, jogadores, perdemos algumas oportunidades de evoluir na nossa carreira. Volante tem aquela característica de marcar e ponto. Mas eu não penso assim. Posso não fazer gols, mas tento sempre aprimorar a minha finalização. Posso não dar assistências, mas tenho que ter um bom passe. Então estes são pequenos detalhes que eu sempre me apeguei e que continuo trabalhando para ser o melhor na minha posição”, encerrou o volante, que, se depender de sua personalidade, não se importará em disputar a Copa do Mundo com status de coadjuvante – de luxo - da Seleção Brasileira.

Fernando Dantas/Gazeta Press
O volante titular da Seleção Brasileira participou de um evento da marca de carros que patrocina o Wolfsburg

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade