Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Falta de reforços faz Wellington virar opção ofensiva do São Paulo

Helder Júnior Cotia (SP)

De contrato renovado até outubro de 2018, o volante Wellington virou uma alternativa ofensiva para Muricy Ramalho no início de 2014. O técnico tem dado atenção especial ao jogador durante a pré-temporada do São Paulo, que só se reforçou com o lateral direito Luis Ricardo por enquanto.

Com a escassez de opções ofensivas, Wellington ganhou liberdade para ocupar a ponta direita na vitória por 2 a 1 no jogo-treino com o Marília, na terça-feira. Teve uma atuação confusa em alguns momentos. No dia seguinte, contudo, ficou mais centralizado em um treino coletivo e ouviu elogios de Muricy após passes em profundidade.

Para o meia Paulo Henrique Ganso, a função tática de Wellington, que estava em baixa em 2013, é diferente daquela que já desempenhada pelo versátil Douglas. “Não é a mesma coisa. O Wellington é mais marcador e tem facilidade de chegar à área. Ele está procurando aproveitar essas qualidades para fazer gols e ajudar o São Paulo”, comentou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Com Jadson na reserva, Wellington virou opção para dar mais criatividade ao ataque do São Paulo
Seja como for, Muricy aposta em Wellington para minimizar as carências criativas do São Paulo. Ganso está sobrecarregado na missão, ainda mais porque Jadson continua como reserva e o time titular conta com outros dois meio-campistas marcadores – Maicon e Denilson, que tem se posicionado mais atrás, quase como um terceiro zagueiro.

Ganso não acha que a sua presença na equipe inviabilize a utilização de Jadson, cobrado por Muricy pela falta de ritmo na pré-temporada. “Já jogamos juntos no ano passado, e deu certo. A gente se entende bem. Isso pode voltar a acontecer, até porque temos rodízio e variações. Todo o mundo terá oportunidades”, disse.

Com o ataque, Muricy também não está plenamente satisfeito. O técnico começou o ano com Osvaldo ao lado de Luis Fabiano, porém apostou em Ademilson na atividade coletiva desta manhã. Sem um centroavante reserva, ele ainda conta com o argentino Cañete, de volta de empréstimo para a Portuguesa, como opção.

“Os estilos do Osvaldo e do Ademilson são parecidos. São dois jogadores de velocidade, com qualidade”, equiparou Ganso, confiando que os problemas táticos estarão sanados até domingo, quando o São Paulo estreará no Campeonato Paulista contra o Bragantino. “Estamos trabalhando passes rápidos, sem prender tanto a bola, para enganar os adversários e chegar com mais gente à área.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade