Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Improvisado na lateral do Verdão, Serginho se inspira em Jorge Henrique

William Correia São Paulo (SP)

Volante nas categorias de base e alternando-se como meia e atacante nas últimas temporadas, Serginho começa 2014 como lateral direito no Palmeiras por falta de opção. E vai buscar inspiração em um jogador ofensivo que obteve sucesso no arquirrival Corinthians com essa improvisação: Jorge Henrique.

“O Jorge Henrique é uma inspiração porque fazia muito bem isso. Procuro exemplos como ele”, disse o jogador, que, durante entrevistas, citou também Luis Ricardo, atacante de origem que hoje é lateral direito do São Paulo e que chegou a estar nos planos do Verdão.

Exaltado por sua capacidade de marcação, Jorge Henrique foi titular na final do Mundial de Clubes de 2012 por conta disso e, no Internacional, chegou a ser escalado desde o início na lateral direita, assim como ocorreu com Serginho no sábado, contra o Linense. Por isso, o jogador do Palmeiras compara sua responsabilidade tática à do ídolo do arquirrival.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Meia-atacante cita ídolo de um arquirrival como exemplo para ter sucesso na lateral direita
“Como atacante pelo lado, eu também tinha que acompanhar o lateral e voltar. É praticamente a mesma função, não muda quase nada”, minimizou o camisa 20, que, na Série B do Brasileiro do ano passado, chegou a terminar algumas partidas na lateral direita. E lembra da responsabilidade que tinha para marcar quando era volante nas categorias de base do Santos.

“Está sendo normal porque tenho um pouco de noção, sei como me posicionar e o Henrique e o Fernando Prass me orientam muito na hora de fechar e sair. Como bato bem na bola, é um diferencial. A dificuldade é estar atento toda hora, atacar e já ter que voltar para marcar o contra-ataque. O lateral não para, não tem como descansar. Mas 'vambora'”, discursou, disposto a se consolidar na nova posição.

“Por enquanto, sou o lateral do Palmeiras. Se o professor quiser me firmar na lateral, estou aí. Jogar é o que importa. Ajudando os colegas, melhor ainda. Vamos segurar essa bronca para fazer um bom campeonato e pensar no título. Se Deus quiser, tem título neste ano”, imaginou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade