Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Leandro revela que Paulo Nobre o vetou como camisa 7 no centenário

William Correia São Paulo (SP)

Desde julho, quando Maikon Leite saiu do Palmeiras, Leandro tornou pública sua vontade de usar a camisa 7 no centenário, antes mesmo de renovar seu contrato. O desejo do atacante, porém, esbarrou em Paulo Nobre. O presidente pediu ao artilheiro do time em 2013 que continue com a 38.

A história foi contada pelo próprio jogador. “Desde que a 7 ficou vaga, foi um desejo meu vesti-la, mas não depende só de mim. Conversei com o presidente, chegamos a um acordo e fiquei com a 38”, relatou o autor de 19 gols em 42 jogos no ano passado.

A 7 que o atacante desejava desejava por ter Edmundo como ídolo deve ficar com Bruno César. O ex-jogador do Corinthians já realizou exames médicos e será emprestado por um ano pelo Al Ahli, da Arábia Saudita. Sua contratação deve ser anunciada em breve.

O veto à camisa 7, contudo, não é problema para Leandro. O jogador prefere ressaltar que o próprio Nobre se esforçou para que o clube conseguisse R$ 8 milhões na aquisição de 64% de seus direitos econômicos, garantindo contrato de mais quatro temporadas.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Atacante solicitou a camisa do ídolo Edmundo antes mesmo de renovar, mas presidente o convenceu a usar a 38
“Se eles me compraram, é porque confiam em mim. Tenho uma responsabilidade”, afirmou Leandro, garantindo esforço com a 38. “O centenário é importante para qualquer clube. Fico feliz por confiarem em mim e tenham certeza de que vontade não vai faltar da minha parte.”

Leandro pode começar a colocar sua promessa em prática nesta quinta-feira. Após perder uma semana na pré-temporada enquanto negociava sua permanência, o atacante ficou fora da estreia, mas foi relacionado e deve ficar no banco de reservas contra o Comercial, em Ribeirão Preto.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade