Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Mais experiente após ser emprestado, Wellington se garante no clássico

William Correia São Paulo (SP)

Única novidade na escalação do Palmeiras, Wellington tinha a dura missão de substituir Henrique, emprestado ao Napoli. Passou com louvor. Tanto o zagueiro quanto o novo capitão, Fernando Prass, e Gilson Kleina enalteceram a experiência que ele adquiriu ao ser emprestado pelo clube no ano passado e viram o reflexo disso na vitória sobre o Penapolense nesta quinta-feira.

“Rodei um pouco para pegar experiência e agora estou de volta. Quero mostrar meu valor para a torcida palmeirense. Estou sempre preparado para ajudar. Quando o Palmeiras precisar, estou à disposição”, comentou o jogador de 22 anos, melhor do time no primeiro tempo e destaque pelo bom posicionamento e desarmes na função de último homem.

Wellington pôde respirar aliviado. O jogador estava no elenco em 2012 e atuou seis vezes, mas, na última delas, foi expulso com menos de meia hora em campo durante a derrota para o Atlético-GO, na primeira partida depois do rebaixamento no Brasileiro. Agora, será titular contra o São Paulo, no domingo.

“Fazia mais de um ano que eu não jogava pelo Palmeiras. Eu estava um pouco ansioso e existiam muitas interrogações em cima de mim. Mas saímos com a vitória, isso me ajudou também”, relatando, afastando a sombra de Henrique. “É bobeira esse negócio de substituir o Henrique, ele tem o estilo dele e tenho o meu. Estou preocupado em ajudar o Palmeiras.”

É o que enxergou Kleina. “Ele já tem vivência de Palmeiras porque já jogou pelo clube e foi emprestado. Todo jogador que vai vivenciar fora vem adquirindo valores. Um deles é saber o valor dessa equipe”, comentou Gilson Kleina, que nem tinha levado o garoto ao banco neste ano e, agora, deve confirmá-lo no domingo.

Divulgação
Zagueiro estreou em 2014 sem dar sustos (Crédito da foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
“O Wellington é da posição e está treinando conosco. Conversei com ele que a oportunidade vem e, por isso, tem que se preparar sempre. Vamos dar confiança ao garoto para que ele tenha atitude”, disse o treinador, que só treinou a dupla Wellington e Lúcio uma vez antes do jogo contra o Penapolense.

“O Wellington foi muito bem, nem pareceu que sentiu muito a falta de ritmo. Foi firme, sério quando tinha que ser e saindo jogando quando pôde, tentou antecipar, é bom no jogo aéreo porque tem uma estatura muito boa. Estava trabalhando sério, preparado para quando tivesse chances e entra direto como titular”, aplaudiu Fernando Prass.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade