Futebol - ( - Atualizado )

Mano promete mudanças e espera que atritos mexam com o ambiente

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Um dos motivos que levaram o Corinthians a substituir Tite por Mano Menezes foi a sensação de que o grupo se acomodou após uma sequência vitoriosa. Por isso, não chegou a surpreender que o novo técnico tenha prometido mudanças em sua apresentação no retorno ao clube do Parque São Jorge.

“Certamente, preciso propor algumas alterações. E essas alterações vão trazer reações. Algumas não tão boas, algumas boas. Algumas vão trazer naturalmente alguns atritos. Isso vai mexer com o ambiente interno, que era conduzido com outra filosofia. Mudam os conceitos, muda a maneira de avaliação”, afirmou o gaúcho.

Segundo ele, haverá “modificações na sistematização tática”. E é justamente por mexer com atletas que tinham uma segurança maior anteriormente que Mano espera reacender a motivação de um grupo que, em um ano, passou de campeão mundial a décimo colocado do Campeonato Brasileiro.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Douglas já teve seus problemas com Mano Menezes, mas segue no elenco alvinegro
“Naturalmente, à medida que você é colocado como camisa 9, está feliz. Quando é colocado como 19, não está tão feliz. Haverá uma nova maneira de armar, novas preferências de sistema, mudarão alguns nomes. A maneira como essas reações acontecem é que mostram o rumo das decisões que temos de tomar”, comentou.

Apesar da promessa de alterações, o treinador insistiu reiteradas vezes ao negar que exista uma lista de dispensas. De acordo com o gaúcho, os contratos serão cumpridos e não há motivo para criar uma instabilidade maior. Ficar, porém, não significa manter o prestígio de outrora.

“Quero deixar claro que não vou criar atrito para mandar nenhum jogador embora. O que quero é gerar disputa interna, aquela disputa sadia que tira a acomodação natural do ser humano. Acontece com todos. Depois de grandes vitórias, é natural que aconteça. Agora, é trabalhar no dia a dia, estabelecer parâmetros de disputa. Entendendo as regras, a convivência é muito melhor”, concluiu Mano.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade