Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Muricy não se empolga e espera clássicos para testar o São Paulo

Helder Júnior São Paulo (SP)

A goleada por 4 a 0 sobre o Mogi Mirim não impressionou Muricy Ramalho. Com a expressão sisuda, o comandante do São Paulo avisou que só saberá o nível real de sua equipe quando começar a disputar clássicos – mais ainda os da reta final do Campeonato Paulista, com os seus jogadores já bem preparados fisicamente.

“É impressionante: no Brasil, as pessoas analisam o trabalho em cima de resultados. Quando você ganha, está ótimo. Quando perde, está péssimo. É uma avaliação ruim. Eu não me empolgo com nada”, garantiu Muricy, escaldado pelos fracassos acumulados pelo elenco do São Paulo em 2013.

O São Paulo já vivenciou o contraste apontado por seu treinador em 2014. Na estreia no Campeonato Paulista, foi derrotado por 2 a 0 pelo Bragantino e ouviu cobranças de sua torcida. No jogo seguinte, com a vitória elástica diante do Mogi, cativou boa parte do pequeno público que estava no Morumbi.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Sem se empolgar com goleada, Muricy ainda reclama do condicionamento físico do São Paulo
“Mas a gente ainda não tem um time pronto física e tecnicamente. O tempo de preparação foi muito curto. Ganhamos um jogo que tínhamos a obrigação de vencer, pois estávamos jogando em casa e contamos com um plantel melhor, com estrutura. Ainda falta muita coisa para a gente ser um time de futebol”, criticou Muricy.

O técnico espera que os problemas do São Paulo estejam resolvidos até a etapa decisiva do Campeonato Paulista. O primeiro clássico da equipe será no domingo de 2 de fevereiro, contra o Palmeiras, no Pacaembu. Os dois times ainda sentem os efeitos físicos do início de temporada.

“O grande só mostra que é bom quando joga contra um outro grande. É aí que você sente como está o seu time. Por isso, a gente não pode se empolgar com nada nesse começo”, avisou Muricy Ramalho. “Teremos uma ideia melhor de tudo quando as equipes estiverem mais preparadas. O campeonato começará realmente no mata-mata, quando todos se igualam fisicamente.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade