Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Palmeiras torce para Lúcio conter ódio em reencontro com São Paulo

William Correia São Paulo (SP)

O quarto jogo de Lúcio pelo Palmeiras será justamente contra o clube que o zagueiro considera que o humilhou. A esperança de comissão técnica e diretoria, contudo, é que o veterano contenha qualquer sentimento de revanche ao reencontrar o São Paulo neste domingo, no Pacaembu, e pense só na vitória alviverde no clássico.

“Ele é experiente, não tem que buscar nada. Tem que construir uma história muito boa no Palmeiras, trazer sua experiência para um jogo importante para o clube. Entrar com ódio não vai levar a nada”, alertou Gilson Kleina, com torcida similar ao dos dirigentes.

“Espero que seja mais um jogo para o Lúcio. Não temos que colocar pressão por ser contra o São Paulo. Ele é um jogador experiente e sabe que é um processo de evolução, está indo para a quarta partida. Não vejo São Paulo, Corinthians, Penapolense... A sequência do Lúcio que é importante, e ele está indo muito, muito bem para quem estava parado há bastante tempo”, disse o diretor executivo José Carlos Brunoro.

O camisa 33 tem lidado com cautela nas declarações sobre o Choque-Rei. Em entrevista exclusiva para a Gazeta Esportiva na quarta-feira, nem quis falar sobre o clássico, assim como na saída do campo após a vitória sobre o Penapolense, nesta quinta-feira. Só abordou o assunto com a cabeça mais fria, depois de tomar banho nos vestiários do Pacaembu.

Divulgação
Clube não quer que Lúcio mude preparação (Crédito da foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
Lúcio tratou o clássico como Brunoro deseja: é mais um jogo. “Não estou ansioso. Já tive experiência de jogar contra ex-clube e, para mim, é normal. Quero descansar e pensar só no Palmeiras. Tenho que analisar o que foi bom e ruim contra o Penapolense e encarar o próximo jogo como mais um”, afirmou o zagueiro que já reencontrou o Bayern de Munique na final da Liga dos Campeões menos de um ano após sua dispensa e conquistou o título pela Inter de Milão.

Tanto naquela época quanto agora, nenhum discurso de vingança foi adotado. “Não preciso provar nada pra ninguém, o que passou, passou e vamos olhar para frente. Gostaria de fazer gol em qualquer jogo porque quero sempre que minha equipe ganhe. Estou feliz no Palmeiras e este será um jogo importante para o clube. Mas sem rancor, mágoa ou coisa assim, pois não tenho isso no coração”, insistiu.

Kleina confia que o seu jogador mais velho do elenco usará a experiência de 35 anos de idade e de titularidade nas três últimas Copas do Mundo para não ser influenciado por nada negativo ao enfrentar o clube que não lhe permitiu nem treinar em suas dependências no segundo semestre do ano passado. “Será um jogo altamente competitivo e pode ter essa conotação com o Lúcio, mas ele está focado no Palmeiras”, apostou o técnico.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade