Futebol/Futebol Internacional - ( - Atualizado )

Para Di Stéfano, amigo Eusébio foi "o melhor de todos os tempos"

Madrid (Espanha)

Após o falecimento de Eusébio, craque português foi o melhor jogador da Copa do Mundo de 1966, o também craque Alfredo Di Stéfano, presidente honorário do Real Madrid, qualificou neste domingo o Pantera Negra como “o melhor de todos os tempos”, em declaração ao jornal espanhol Marca.

O ex-jogador do Real Madrid sempre manteve amizade com Eusébio. Curiosamente, o Pantera Negra também chegou a retribuir as honrarias, dizendo que Di Stéfano teria sido o maior jogador de futebol que tinha visto jogar.

A relação entre os craques teve início na final da Taça dos Campeões Europeus da temporada de 1961-62. Disputada em Amsterdã, na Holanda, Eusébio marcou dois gols e liderou o Benfica na vitória sobre o clube merengue por 5 a 3. A vitória rendeu às Águias ao bicampeonato da maior competição de clubes da UEFA na época, já que havia vencido a competição no ano anterior.

Ao final da partida, o jovem Eusébio, então com 20 anos, aproveitou a oportunidade para ganhar uma recordação de seu ídolo e trocou as camisas com Di Stéfano. O português explicou posteriormente que pediu a um colega de equipe que pedisse a camisa ao argentino. “Tinha pedido ao Coluna (atacante do Benfica) para pedir a Di Stéfano que me desse a camisa e consegui, porque ele nem sabia quem era Eusébio”, brincou o Pantera Negra, que contou como escondeu o presente do jogador do Real Madrid. “Quando ganhamos, corri para perto dele, ele me deu a camisa e ficou com a minha. A essa altura, me roubaram as chuteiras e os calções, mas consegui guardar a camisa na cueca”, afirmou o ex-jogador português.

Divulgação/Real Madrid
Di Stéfano e Eusébio estiveram presentes na apresentação do português Cristiano Ronaldo no Real Madrid

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade