Futebol/Copa do Mundo de 2014 - ( - Atualizado )

Por lugar na final, Ricci descarta torcer contra o Brasil: “Não sou egoísta”

Recife (PE)

Escolhido pela Fifa para representar o Brasil no quadro de arbitragem na Copa do Mundo deste ano, o mineiro Sandro Meira Ricci tem a oportunidade de trabalhar na final da competição intercontinental. Para isso ocorrer, porém, a Seleção Brasileira deve ser eliminada do torneio antes da decisão. Assim, o árbitro descarta torcer contra os comandados de Luiz Felipe Scolari por um sucesso individual.

“Tenho certeza que vamos todos torcer juntos pelo Brasil. Nunca fui egoísta e prefiro a alegria de todos. Torço pela Seleção e espero o melhor para ela. E é preciso lembrar que há 25 árbitros extremamente bem qualificados, então, mesmo que o Brasil não passe, eu posso ficar de fora da final”, disse Meira Ricci, durante entrevista coletiva organizada na sede da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), entidade à qual pertence, na última sexta-feira.

O árbitro foi escalado junto dos auxiliares paulistas Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Van Gasse. Este é o mesmo trio que, no fim de 2013, foi para o Marrocos e apitou a final do Mundial de Clubes da Fifa, entre Bayern de Munique e Raja Casablanca. Para Sandro Meira Ricci, porém, a Copa do Mundo é uma competição que trará uma emoção única em sua carreira.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Após apitar a final do Mundial de Clubes, Sandro Meira Ricci foi escalado para arbitrar na Copa do Mundo de 2014

“Participar de uma Copa do Mundo é algo muito importante na carreira de um profissional. Se não me engano, sou o 15º árbitro brasileiro da história num Mundial. Eu me sinto lisonjeado em pertencer a essa lista”, afirmou o mineiro, que ainda contou como é a sua relação com os bandeirinhas que o acompanharão no maior torneio de futebol do planeta.

“O Emerson e o Marcelo são meus amigos fora de campo também. Certamente é um trio que tem totais condições de dar alegrias à arbitragem brasileira porque essa relação vai além das quatro linhas. Temos uma amizade que é bastante produtiva quando estamos dentro de campo, contribui com toda certeza”, disse.

Quem também externou sua felicidade com a escolha da Fifa pelo trio de arbitragem foi o presidente da Federação Pernambucana, Evandro Carvalho. “É a primeira vez que um árbitro brasileiro para a Copa exerce sua atividade fora das regiões Sul e Sudeste. Nós vislumbramos isso quando fomos buscá-lo para integrar o nosso quadro de arbitragem. É uma honra ter o Ricci na Copa do Mundo de 2014. Torcemos para que ele tenha muito sucesso e não apite a final”, brincou o mandatário.

Disputada pela primeira vez em 1930, a Copa do Mundo chega, neste ano, a sua 20ª edição. O Brasil marcou presença em sete finais, sendo campeão em cinco delas (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002). Entre os árbitros, o País foi representado na decisão em duas oportunidades: 1982, com Arnaldo César Coelho, e 1986, com Romualdo Arppi Filho.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade