Futebol/Futebol Internacional - ( - Atualizado )

Problemas de saúde levaram Eusébio a três internações nos últimos anos

Lisboa (Portugal)

Na madrugada deste domingo, o maior jogador da história de Portugal faleceu em Lisboa. Craque do Benfica nos anos 1960 e 70, Eusébio sofreu parada cardiorrespiratória por volta das 3h30 da manhã e chegou a ser levado ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), mas não foi possível mantê-lo vivo.

Segundo informações do jornal português Púlbico, o ex-jogador sofria de aterosclerose, um espessamento e perda de elasticidade da parede arterial, e tinha tendência para níveis elevados de colesterol. Eusébio ainda apresentava sintomas de hipertensão. As complicações levaram à sua hospitalização nos anos de 2007, 2011 e 2012.

Em abril de 2007, Eusébio esteve pela primeira vez internado no Hospital da Luz, em Lisboa, onde os médicos diagnosticaram “lesões significativas nas artérias carótidas internas”, ou seja, lesões que obstruíam as artérias do Pantera Negra, dificultando a chegada do sangue ao cérebro.

Depois de alguns dias internado, o ídolo luso foi submetido à operação na artéria carótida esquerda, como prevenção a um eventual acidente vascular cerebral (AVC). Os médicos aconselharam Eusébio a alterar alguns hábitos, mas o craque foi claro quanto às mudanças: “Quem é que não gosta de viver? Vou, com calma, tenho que cumprir as recomendações dos médicos”, disse ao sair do hospital.

No final de dezembro de 2011, os problemas de saúde do Pantera Negra voltaram. O português chegou ao Hospital da Luz com pneumonia bilateral e permaneceu sob observação durante 13 dias. Quatro dias após sair, voltou a ser internado devido ao agravamento de seu quadro clínico. O ex-jogador sentiu dores e problemas respiratórios e um novo diagnóstico apontou para um caso de cervicalgia aguda, lesão muscular no pescoço.

AFP
Em 2004, o Pantera Negra deixou a marca dos pés na calcaça da fama do Estádio do Maracanã

As complicações na saúde de Eusébio não ficaram por aí. Pela terceira vez em dois meses e meio, o ex-jogador do Benfica era obrigado a voltar ao mesmo hospital por dois dias, agora devido a uma crise hipertensiva (tensão arterial elevada).

Em junho de 2012, o caso foi mais grave. Embaixador da seleção de Portugal, Eusébio acompanhava o time luso na Eurocopa e teve indisposição no hotel onde a delegação se concentrava, em Opalenica, na Polônia, país que recebeu a competição junto com a Ucrânia. Na ocasião, Eusébio foi levado ao hospital de Poznan, mas precisou viajar de avião para Lisboa, regressando ao Hospital da Luz.

A indisposição sentida pelo Pantera Negra na Polónia foi um AVC, mas o ex-atacante foi liberado do hospital após 14 dias, continuando a ter assistência médica em casa por algumas semanas.

Na madrugada deste domingo, porém, aos 71 anos de idade, Eusébio não resistiu a uma parada cardiorrespiratória que sofreu às 3h30 da manhã. O craque sentiu-se mal em casa e foi levado ao Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), mas não foi possível mantê-lo vivo.

AFP
Torcedores do Benfica prestaram homenagem levando flores à estátua de Eusébio, no Estádio da Luz

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade