Futebol - ( - Atualizado )

Sem desespero para contratar, Timão espera proposta oficial por Edenílson

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Retornos de empréstimo à parte, o Corinthians acertou apenas a contratação do lateral esquerdo Uendel para a temporada 2014. Com o orçamento complicado, o ritmo tem tudo para se manter lento, e a probabilidade de mais alguma chegada só aumentará quando for oficializada a proposta da Udinese por Edenílson.

“Chegou o interesse por meio do empresário do atleta, mas estamos aguardando a proposta oficial, que ainda não veio. Aí, se o jogador quiser sair...”, disse o diretor de futebol alvinegro, Roberto de Andrade, já ciente de que o lateral direito pretende mesmo se transferir.

Sendo entregue a oferta de 5 milhões de euros (pouco mais de R$ 16 milhões), o Corinthians terá de se virar para achar outro jogador da posição. Alessandro se aposentou, sobrando só Diego Macedo – emprestado pelo Bragantino até o fim do Paulista – e Lucão – muito jovem, atualmente no grupo que joga a Copa São Paulo de juniores.

A verdade é que o Corinthians está sem caixa. E, fora da Copa Libertadores pela primeira vez desde 2010, o clube segura os investimentos em um mercado inflacionado. Ainda que tenha falhado no segundo semestre, o elenco é visto como de qualidade pelos dirigentes, que não vão contratar por contratar.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Mano Menezes está em sintonia com a diretoria na administração do elenco do Corinthians
A situação é bem diferente da encontrada por Mano Menezes em sua primeira passagem pelo clube. Quando chegou, em 2008, o gaúcho comandou a montagem de um novo grupo após o rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro, acertando com reforços de baciada.

“Realmente, são momentos muito diferentes. Na época, era necessário montar um grupo todo praticamente. A preocupação era muito mais quantitativa. Hoje, não. É um grupo extremamente vitorioso que está aí. Minha missão é entender isso e iniciar um trabalho a partir de algo vitorioso”, comentou o treinador.

De volta após três anos e meio e em sintonia com a diretoria, ele diz que é necessário guardar recursos para o momento em que a oportunidade certa aparecer no mercado. Com apenas o Campeonato Paulista em disputa nos primeiros meses da temporada, não há pressa.

Não chegará nada parecido com Renato Augusto e Alexandre Pato, contratados no ano passado. Nem com Ronaldo, que desembarcou no Parque São Jorge durante a primeira passagem de Mano pelo clube. “Se ele está esperando isso, pode tirar o cavalinho da chuva”, avisou Roberto de Andrade.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade