Futebol/Bastidores - ( )

Sem estádio, vice do Oeste dispara contra prefeito de Itápolis

Itápolis (SP)

Depois de sofrer sua primeira derrota no Campeonato Paulista, neste domingo, por 2 a 1, para o São Paulo, o Oeste terá um grande problema para enfrentar ao longo da competição. Nesta segunda-feira, o clube foi notificado que o Estádio dos Amaros foi interditado por falta de laudo do Corpo de Bombeiros e, diante do descasco da Prefeitura Municipal, corre o risco e não atuar mais em Itápolis.

“Por ser um estádio municipal, as responsabilidades são por conta da Prefeitura. Mas é um descaso com o time que representa a cidade há 93 anos. Estamos na Série A do Paulista, na Série B do Brasileiro e parece que ninguém se importa com isso”, desabafou Aparecido de Freitas, o vice-presidente do Oeste, que explicou a atual situação dos Amaros.

“O laudo venceu no dia 23 de janeiro e os responsáveis da prefeitura que deveriam fazer os ajustes necessários durante todo o ano de 2013 não o fizeram e deixaram para resolver em cima da hora. Agora, iremos jogar fora de Itápolis e corremos o risco de não atuar mais aqui”, lamentou Cidão, modo como é conhecido pelos companheiros de Itápolis.

Diante da polêmica envolvendo o estádio, a Federação Paulista confirmou, nesta segunda-feira, a alteração de local do confronto entre Oeste e Comercial nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília). A equipe de Itápolis vai atuar no Estádio Professor Luiz Augusto de Oliveira, em São Carlos, cerca de 130 km de sua cidade-sede.

“Quem sai perdendo com toda essa história é o torcedor que terá de viajar para ver o time jogar sendo que poderia acompanhar de perto, no seu estádio, onde sempre mandou seus jogos”, concluiu o vice-presidente do Oeste, irritado com a postura da Prefeitura em relação ao estádio.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade