Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Alessandro apoia o seu sucessor em início difícil no Corinthians

Helder Júnior e Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Agora coordenador técnico do Corinthians, Alessandro manteve o mesmo discurso ponderado de quando era capitão e lateral direito. O dirigente novato tem acompanhado com paciência o desempenho de Fagner, o seu sucessor de posição na equipe dirigida por Mano Menezes.

“Ele é um grande atleta, que todo o mundo conhece. Por onde passou, conseguiu grandes resultados. Mas chegou em um momento em que o Corinthians não estava bem. Até fizemos uma boa estreia no Campeonato Paulista, mas veio a sequência negativa depois. Era normal que ninguém se destacasse”, relevou Alessandro.

Revelado pelo próprio Corinthians, Fagner deixou o clube de forma precoce há sete anos, quando seguiu para o PSV Eindhoven, da Holanda, em meio à troca de acusações entre o seu empresário e dirigentes. Ainda passou com sucesso pelo Vasco antes de retornar ao Parque São Jorge, cedido pelo Wolfsburg, da Alemanha, por empréstimo até o final da temporada.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Alessandro confia que Fagner e os demais jogadores do Corinthians conseguirão apresentar um futebol melhor
Para Alessandro, Fagner já começou a mostrar que a sua contratação foi acertada ao participar da jogada do gol do Corinthians no empate por 1 a 1 com o Palmeiras, no domingo, no Pacaembu. “Ele fez um grande lance com o Guilherme antes de o Romarinho marcar. É um jogador que está trabalhando, buscando uma sequência. Como todos os outros, tem a expectativa de crescer bastante”, apoiou.

Fagner logo terá concorrência na missão de fazer sucesso como substituto de Alessandro. Edenílson está próximo de sacramentar o seu retorno ao Corinthians por empréstimo, pouco depois de acertar transferência para o futebol europeu.

“Mas o Edenílson já se apresentou? Não sei se isso é real”, ressalvou Alessandro, prudente em sua atribuição de dirigente. “Independentemente disso, é importante que a gente mantenha uma linha de competência e de qualidade. Já vimos esses atributos no Fagner e, anteriormente, no próprio Edenílson. São atletas que vão somar em um momento de transição duro, difícil, feito em plena competição”, enfatizou o ex-jogador.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade