Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Carente na lateral direita, Palmeiras se esforça por Moreira e Roniery

William Correia São Paulo (SP)

Gilson Kleina ainda pede um lateral direito para, ao menos, ser reserva de Wendel, e o Palmeiras se esforça na busca por duas opções. A diretoria continua tentando trazer Jorge Moreira, do Libertad, e a expectativa no Paraguai é de que seu anúncio seja feito a qualquer momento. E ainda existe a possibilidade da chegada de Roniery, que disputou a Série B do Brasileiro pelo Paraná.

A negociação com Moreira foi retomada graças à ajuda de investidores, dispostos a colocar o lateral no clube. O que pode dificultar a contratação é, mais uma vez, o Libertad e os empresários que dividem igualmente seus direitos econômicos, que ainda se mostram convictos na ideia de exigir US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 3,5 milhões) pelo jogador.

O atleta de 24 anos, contudo, já manifestou publicamente a sua vontade de vestir verde em 2014 e tem os salários acertados com o clube desde dezembro. Caso não consigam diminuir a pedida paraguaia agora, os investidores que trariam Moreira dão como garantido o acerto para o segundo semestre, pagando menos para se aproveitar do fato de que o contrato do lateral com o Libertad acaba em dezembro.

AFP
Paraguaio Jorge Moreira é dado como certo no Verdão por investidores, ao menos, para julho
Roniery também viria por meio de empresários. O lateral direito ainda tenta efetivar sua saída do Paraná, o que só ocorrerá no momento em que o grupo de investidores que comprará parte de seus direitos econômicos definir seu futuro. Não está descartada sua chegada junto com a de Moreira.

Como Luis Felipe está em briga judicial com o clube e trabalha separado, a única opção de Gilson Kleina na lateral direita é Wendel, volante de origem, já que Bruno Oliveira busca condicionamento físico depois de machucar a coxa direita durante a pré-temporada.

O treinador tem feito pressão nos dirigentes para ter um novo lateral direito. Já até abriu mão de pedir mais um zagueiro para o lugar de Henrique, vendido ao Napoli, da Itália, apostando em Wellington e nas recuperações físicas de Tiago Alves, Victorino e Thiago Martins e promovendo Gabriel Dias das categorias de base.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade