Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Com dificuldade para projetar pontos, Mano vê cada jogo como fundamental

Marcos Guedes São Paulo (SP)

A cinco rodadas do fim da primeira fase do Campeonato Paulista, o Corinthians vive situação difícil no Grupo B. Mesmo após duas vitórias, a equipe está a cinco pontos do líder Botafogo e do vice-líder Ituano – times da chave na faixa de classificação às quartas de final –, e Mano Menezes não sabe o aproveitamento necessário para avançar.

Pelo confuso regulamento do Estadual, as equipes não se enfrentam dentro da própria chave. Assim, mesmo vencendo todos os seus jogos restantes, a formação alvinegra corre o risco de não alcançar os seus concorrentes e, por exemplo, ser eliminado vendo o rival São Paulo avançar com uma pontuação menor no Grupo A.

“A gente sabia que era assim desde o início da competição. Não estamos concorrendo com o São Paulo. Estamos concorrendo com Botafogo, Audax, Ituano e XV de Piracicaba. São eles que temos que superar. O regulamento cria um fato diferenciado, não enfrentar os concorrentes. Não gosto, mas a regra foi estabelecida antes”, disse Mano.

Divulgação/Agência Corinthians
Mano está de olho lá na frente, mas não sabe quantos pontos são necessários (foto: Daniel Augusto Jr.)
“Em um regulamento como esse, é muito difícil fazer uma projeção de pontos necessários, justamente porque você não enfrenta os concorrentes. Nos confrontos diretos, você sabe que, ganhando, são três pontos para você, zero para o outro. Temos que pensar jogo a jogo, ganhar e evoluir como equipe. O que nossos concorrentes vão fazer deixamos para ele”, acrescentou o técnico.

Na 11ª rodada do Campeonato Paulista, o Corinthians vai torcer especialmente pelo Linense contra o Ituano, na sexta, e pelo Penapolense contra o Botafogo, no sábado. Antes disso, é claro, terá de derrotar o Comercial, na noite de quarta, no estádio do Pacaembu.

“O jogo é tão fundamental como foi a vitória sobre o Oeste e a vitória sobre o Rio Claro. Comentamos aqui que teríamos várias decisões pela frente porque deixamos a situação chegar aonde chegou. O mais importante e positivo é que a equipe começou a fazer sua parte. É isso o que quero contra o Comercial também”, concluiu Mano.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade