Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Com globais e Felipão, programa de sócios-torcedores celebra um ano

Bruno Ceccon e Helder Júnior São Paulo (SP)

O Movimento por um Futebol Melhor celebrou um ano na noite desta segunda-feira. Com os globais Galvão Bueno e Mônica Waldvogel como mestres de cerimônias, o evento realizado no Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) reuniu representantes dos principais times brasileiros e o técnico Luiz Felipe Scolari.

O Movimento por um Futebol Melhor é uma parceria entre 45 clubes e 14 grandes empresas. Aderindo aos programas de sócio-torcedor das respectivas agremiações, os fãs, além das vantagens para conseguir ingressos, passam a contar com descontos em diferentes produtos.

No primeiro aniversário do projeto, os responsáveis apresentaram os resultados alcançados (700 mil sócios-torcedores, R$ 25 milhões em descontos e R$ 100 milhões aos clubes) e previram o crescimento do Movimento, já que atualmente apenas 0,4% do universo de fãs brasileiros teria aderido aos programas de seus times.

Para alavancar o crescimento do projeto, a ideia é mostrar aos torcedores que é possível superar o valor da mensalidade dos programas de sócio com descontos na compra de diferentes produtos. Outra meta é fazer com que o fã se sinta responsável pela evolucão do próprio clube, beneficiado com o aumento de receita.

Nem todas as agremiações enviaram seus presidentes ao evento, entre eles o Corinthians, representado pelo ex-lateral Alessandro que, embora tenha sido anunciado por Galvão Bueno como diretor executivo, exerce o cargo de coordenador técnico do time que defendeu até o ano passado.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Luiz Felipe Scolari, técnico da Seleção, foi a estrela do aniversário de um ano do Movimento por um Futebol Melhor
A Portuguesa, em situação delicada, foi representada pelo presidente Ilídio Lico. Um dos últimos a chegar ao evento no MuBE, o dirigente acabou cercado por jornalistas na entrada e aguçou a curiosidade de alguns garçons. “Quem é ele? É da Fifa?”, perguntavam.

Os representantes dos clubes, chamados ao palco, interagiram rapidamente com Galvão Bueno. Em sua maioria, não fugiram do discurso padrão, com excessão de Ilídio Lico, que protestou discretamente pela Portuguesa, e do integrante de um time do Nordeste, que agradeceu ao Supermercado Frangolândia.

Sentado em uma das primeiras fileiras da plateia, Felipão ouviu várias citações de Galvão Bueno durante o longo evento. O técnico da Seleção Brasileira, chamado ao palco na parte final da apresentação, respondeu algumas perguntas dos mestres de cerimônias e deixou o auditório escoltado por seguranças.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade