Futebol/Copa do Mundo de 2014 - ( - Atualizado )

Confiante, técnico do Irã avisa: “Não vamos para ser os bobos da festa”

Zurique (Suíça)

Neste ano, Carlos Queiroz se tornará o primeiro treinador português da história a participar de duas Copas do Mundo. Técnico da seleção lusa em 2010, ele levou os Heróis do Mar às oitavas de final. Agora, no entanto, ele é o comandante do Irã, país com muito menos tradição e condição de fazer uma boa campanha no Mundial. Apesar disto, Queiroz garante que a sua seleção não virá ao Brasil, no meio de 2014, para ser uma mera figurante.

“Durante dois anos e meio, carregamos as expectativas e a responsabilidades de qualificar a equipe do Irã para o Mundial. Agora, começa uma nova etapa: fazer perceber que não vamos ao Brasil para sermos o bobo da festa, nem tirar férias. Queremos jogar contra as melhores seleções do Mundo, com honra, dignidade, respeito e a maior capacidade competitiva possível. Além disso, o Irã nunca passou para a segunda fase e a nossa missão vai ser essa”, declarou Queiroz, em entrevista ao site da Fifa.

A seleção iraniana disputará, em 2014, a quarta Copa do Mundo de sua história. Na primeira, em 1978, na Argentina, a equipe perdeu dois jogos e arrancou um empate com a Escócia, voltando para casa de cabeça erguida. Nas outras duas vezes, em 1998 e 2006, os iranianos foram novamente eliminados na primeira fase, conseguindo apenas uma vitória na história dos mundiais. Justamente na partida mais significativa. Um 2 a 1 contra os Estados Unidos, seu maior rival no campo político, que, no dia 21 de junho de 98, em Lyon, tornou-se um adversário leal dentro das quatro linhas.

AFP
Comandante da seleção iraniana, o português Carlos Queiroz promete surpreender na Copa do Mundo de 2014

Para garantir a vaga para 2014, os comandados de Carlos Queiroz tiveram algumas dificuldades. No Grupo A das Eliminatórias Asiáticas ao lado de Coreia do Sul, Libano, Catar e Uzbequistão, os iranianos começaram mal, mas, nas últimas três rodadas, emendaram uma sequência de vitórias que carimbaram os seus passaportes para o Brasil. “Foi uma trajetória muito difícil”, disse Queiroz.

“Jogar a qualificação na Ásia é muito complicado, porque as viagens são muito longas, a temperatura e a umidade são muito diversificadas e é difícil gerir as decisões. Para o Irã, a qualificação foi a travessia do inferno, e agora começou a travessia do céu. Vamos sair a desfrutar e fazer o nosso melhor para levar honra e alegria aos torcedores”, acrescentou.

Por fim, Queiroz classificou o trabalho a longo prazo como fundamental para o país se classificar para a Copa do Mundo. “Não podemos imaginar jogar uma Copa sem qualidade e sem experiência da competição internacional. Isso tudo foi possível com o trabalho de dois anos. Encontramos e estimulamos os jogadores iranianos que estavam dispersos na Europa. Quando cheguei, nós tínhamos apenas um atleta no futebol europeu. Agora, nós temos seis ou sete. O Reza é um exemplo disso”, decretou.

O Irã está no Grupo F da Copa do Mundo de 2014. O time de Carlos Queiroz terá como adversário a Argentina, a Bósnia e a Nigéria. A estreia será no dia 16 de junho, contra os africanos, na Arena da Baixada, em Curitiba. Depois, os iranianos pegam a Argentina, no Maracanã, e fecham sua participação na primeira fase diante dos bósnios, na Arena Fonte Nova.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade