Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Contra violência, OAB quer fim de vínculo entre clubes e organizadas

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

A discussão sobre a violência no futebol ganha proporções cada vez maiores. Na manhã desta quinta-feira, a Ordem dos Advogados do Brasil promoveu um debate entre autoridades do esporte e do País para tentar encontrar uma solução contra as brigas. A iniciativa partiu da OAB de São Paulo e propôs medidas para acabar com os confrontos, advertindo que um dos caminhos é o fim do vínculo entre as diretorias dos clubes e as torcidas organizadas.

“Um tema é consenso. Os clubes de futebol não podem patrocinar torcidas organizadas, este tema vem ao encontro da necessidade do fim da violência no futebol. É preciso medidas para que haja um fim disso”, afirmou Marcus Vinícius Furtado Coelho, presidente do Conselho Federal da OAB.

No entanto, ainda há uma discussão se os clubes podem ser responsabilizados pelos atos violentos de suas torcidas em caso de financiamento das uniformizadas. O presidente da OAB de Santa Catarina, Tullo Cavallazzi Filho, que também dirige a Comissão Especial de Direito Desportivo, explicou que planeja ouvir especialistas para saber se os times podem receber punições em caso de ajuda às organizadas envolvidas em confusões.

AFP
OAB quer ajudar a colocar um fim às brigas nos estádios brasileiros (Foto: Heuler Andrey)
“Estamos vendo com integrantes de diversos tribunais para debater se é possível estender as penas aos clubes, como foi feito com a venda de bebida alcóolica nos estádios. Está aberto o debate, queremos ouvir especialistas, mas tudo indica que a vinculação ao financiamento leve a esta conclusão”, afirmou.

A ideia do workshop é elaborar um documento para encaminhar às demais sedes da OAB, a autoridades do futebol e também a promotores de todos os Estados. Haverá também uma campanha contra a violência em meios de comunicação, e existe ainda a expectativa de exibir mensagens de paz em camisas de jogadores. Mais uma conclusão do debate é a necessidade de criar delegacias especializadas no assunto.

O evento desta quinta-feira contou com as presenças do atual e anterior presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Flávio Zveiter e Rubens Approbato Machado, respectivamente. O Corinthians e o Palmeiras também enviaram representantes, assim com a Federação Paulista de Futebol, que mandou o presidente da Comissão Estadual de Arbitragem, o tenente-coronel Marcos Marinho.

O mandatário da entidade, Marco Polo Del Nero, também era esperado, mas não compareceu porque participa do congresso da Fifa em Florianópolis. Outras ausências foram do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e do secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade