Futebol - ( )

Corinthians nega estar atendendo a exigências da torcida com saídas

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Alexandre Pato, Douglas e Paulo André estavam entre os jogadores mais contestados no momento da invasão do centro de treinamento do Corinthians por mais de cem torcedores, no último dia 1º. De lá para cá, um a um, eles foram saindo do clube, restando apenas Emerson na lista dos alvos dos mais revoltados torcedores. Segundo a diretoria, não há uma relação de causa e consequência.

“Não é resposta àquilo que aconteceu. Uma coisa é distinta da outra. O Corinthians, desde o início, tinha um projeto de reformular. A gente teve um ciclo vitorioso em 2011, 2012, 2013, e esse ciclo chegou ao fim, atingiu tudo o que poderia”, afirmou o diretor de futebol alvinegro, Ronaldo Ximenes.

“Essa reformulação começou pelo próprio Tite. Nós adoramos o Tite, mas entendemos que era necessário pensar de outra maneira. Isso se aplicou também ao grupo de atletas, mas essa relação de causa e efeito entre o ocorrido aqui naquele dia e as saídas, infelizmente, ou melhor, felizmente, não tem”, acrescentou o dirigente.

Último a puxar o carro, Paulo André disse ter compreendido perfeitamente o projeto. Ciente da situação, o zagueiro de 30 anos procurou a diretoria quando recebeu uma proposta do chinês Shanghai Shenhua e foi prontamente liberado. Segundo ele, um “prêmio pelos serviços prestados”, como a ótima atuação no triunfo sobre o Chelsea, na final do Mundial de 2012.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Ronaldo Ximenes ainda acha cedo para negociar a possível renovação do contrato de Danilo
Danilo e Emerson, também campeões mundiais, também figuravam na lista elaborada pelo Corinthians dos nomes que o clube não fazia a menor questão de manter ao final da última temporada. O Sheik está mais seguro agora, pois seu contrato só termina na metade de 2015 e há uma carência de atacantes com a saída de Pato. Já o meia só tem compromisso até julho.

“O Danilo tem contrato, vai até o meio do ano. Não sentamos para discutir uma eventual renovação. Ainda é cedo para tomar uma decisão, embora já exista a possibilidade de ele firmar um pré-contrato com outra equipe. Em relação ao Emerson, a tendência é mantê-lo. Ele tem cumprido com afinco as suas obrigações e vamos mantê-lo até o momento em que for oportuno para ele e para o Corinthians”, explicou Ximenes.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade