Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Corintiano foragido desde "Operação Hooligans" se entrega à Polícia

São Paulo (SP)

O torcedor corintiano Tiago Aurélio dos Santos Ferreira, um dos responsáveis pela invasão ao CT do Corinthians, no último dia 1º de fevereiro, entregou-se à Polícia na tarde desta quarta-feira, em São Paulo. Ele estava foragido desde o dia 20, quando as autoridades iniciaram a “Operação Hooligans”.

Também um dos 12 presos em Oruro, na Bolívia, no ano passado – quando o jovem Kevin Espada foi morto por conta de um sinalizador marítimo disparado por alvinegros –, Tiago chegou ao Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) por volta das 16 horas (de Brasília).

Mauro Horita/Agif/Gazeta Press
Tiago Aurélio dos Santos Ferreira foi um dos pelo menos cem corintianos que invadiram CT e ameaçaram delegação
Tarcísio Baselli Diniz e Gabriel Monteiro de Campos já haviam sido apreendidos na semana passada. Ambos estão no 77º Distrito Policial, no centro da capital paulista, para onde Tiago, que esperava o nascimento da filha para se entregar, será encaminhado.

No entanto, ainda há dois torcedores foragidos. A identidade deles não será revelada para não atrapalhar nas investigações, que começaram nas quadras das maiores torcidas organizadas do Timão. Além do trio, Danilo dos Santos Gomes acabou sendo preso por porte ilegal de armas e drogas.

O caso: no começo deste mês, pelo menos cem corintianos invadiram o CT do time e protestaram contra o elenco, principalmente contra os atacantes Alexandre Pato e Emerson Sheik, maiores culpados pela goleada de 5 a 1 sofrida para o rival Santos, na mesma semana.

Vários atletas tiveram que se esconder nas salas do complexo. O centroavante Guerrero, por exemplo, acabou sendo “esganado” pelos invasores, como confirmou o próprio presidente Mário Gobbi. Porém, o peruano acabou negando o fato dias depois.

Alguns vândalos ainda agrediram e até roubaram outros funcionários do clube, que ainda investiga se a entrada dos invasores foi facilitada por alguém – algumas câmeras de segurança estavam desligadas no momento da invasão, algo que aumentou estas suspeitas.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade