Futebol Internacional/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Dirigente repudia atos racistas e promete acionar Conmebol

Do correspondente Wanderson Lima Belo Horizonte (MG)

Os atos racistas contra o volante Tinga indignaram o diretor de futebol do Cruzeiro, Alexandre Mattos, que afirmou que a humanidade sofreu um grande retrocesso com as atitudes da torcida do Real Garcilaso. O dirigente condenou com veemência o ocorrido e afirmou que existe respeito do lado cruzeirense.

“É um retrocesso na humanidade. Eu sou educado, não vou falar como eles são, vocês viram o nível que é a raça que é. A gente respeita, não somos assim. Vamos ter respeito, coisas que eles não tiveram. O Tinga é homem, passa por cima. O que sentimos aqui é um retrocesso da humanidade. É pensar pequeno, em um lugar pequeno, que não devia nem existir futebol”, declarou.

O dirigente cruzeirense garante que o clube mineiro vai reclamar na Conmebol contra os peruanos. "O Cruzeiro vai fazer sua representação, não tenha dúvida. Não vai ficar assim. Se precisar ir à Conmebol e o que tiver de fazer, nós vamos fazer. Eles têm que aprender que futebol é coisa seria", explicou Alexandre Mattos.

Por meio das redes sociais, a Conmebol garantiu que vai apurar o caso, e o Real Garcilaso pode ser punido exemplarmente. Punições como multa, perda de mando de campo, jogar com portões fechados e até a eliminação da Libertadores podem ser aplicadas ao time peruano.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade