Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Zagueiro que jogou Copa passa despercebido e Valdívia divide torcida

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Escalado em mais de 300 jogos com a camisa do Palmeiras, o ex-zagueiro Alfredo Mostarda, convocado para a Copa do Mundo de 1974, passou despercebido diante da maioria da torcida que acompanhou o clássico contra o São Paulo, no Pacaembu. Já o meia Valdívia, como de costume, dividiu o público na tarde de domingo.

Companheiros no time que ficou conhecido como Academia de Futebol, Alfredo Mostarda, Ademir da Guia, Dudu e César Maluco entraram em campo minutos antes do início do clássico para exibir o novo uniforme de treino do Palmeiras, dedicado à equipe que fez história nos anos 1960 e 1970.

Antes de dar uma volta ao redor do gramado, o quarteto de ex-jogadores foi anunciado por meio do sistema de som do Pacaembu, mas a maioria do público não identificou Alfredo Mostarda. A Mancha Alviverde, principal torcida organizada, gritou os nomes apenas de Ademir, saudado como "Divino", Dudu e César Maluco.

Embora seja menos conhecido que os protagonistas da Academia, Alfredo Mostarda é figura importante da história do Palmeiras. Formado nas categorias de base do clube, o zagueiro disputou 303 partidas entre 1971 e 1979 – período em que foi bicampeão paulista (1972 e 1974) e brasileiro (1972 e 1973).

Fernando Dantas/Gazeta Press
O ex-zagueiro Alfredo Mostarda (o segundo da esquerda para a direita) passou despercebido no Estádio do Pacaembu
Então campeão do mundo, o técnico Mário Jorge Lobo Zagallo convocou Leão, Luís Pereira, Leivinha, César Maluco, Ademir da Guia e Alfredo Mostarda para a Copa de 1974, disputada na Alemanha. O zagueiro participou da derrota por 1 a 0 diante da Polônia, na decisão do terceiro lugar.

Coincidentemente, Alfredo Mostarda se casou com uma sobrinha do ex-atacante Julinho Botelho, que disputou a Copa do Mundo de 1954. Considerado um dos maiores ídolos do Palmeiras, ele marcou 81 gols em 269 partidas de 1958 a 1967, conquistando a Taça Brasil (1960), o Rio-São Paulo (1965) e o Paulista (1959 e 1963).

Minutos depois de Alfredo Mostarda passar despercebido diante das arquibancadas do Pacaembu ao lado dos famosos Ademir da Guia, Dudu e César Maluco, o Palmeiras, comandado pelo técnico Gilson Kleina, entrou em campo para enfrentar o São Paulo.

Acervo/Gazeta Press
O zagueiro Alfredo Mostarda, ídolo do Palmeiras, defendeu a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Alemanha-1974
No ano do centenário do Palmeiras, a Mancha Alviverde retomou o costume de gritar o nome de cada jogador e do treinador antes das partidas. Inimigo da organizada, o meia Valdívia ainda é ignorado pelo grupo, mas tem o nome cantado por boa parte dos torcedores comuns.

Com um gol de cabeça do chileno, o Palmeiras manteve os 100% de aproveitamento no Campeonato Paulista ao vencer o São Paulo por 2 a 0 – o centroavante Allan Kardec completou o marcador em cobrança de pênalti. Na próxima quarta-feira, a equipe alviverde visita o XV de Piracicaba, às 22 horas (de Brasília).

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade