Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Irônico, Valdivia duvida, mas não liga para possível agressão de Ceni

William Correia São Paulo (SP)

Logo após abrir o placar da vitória no Choque-Rei, Valdivia fez questão de passar em frente a Rogério Ceni, seu desafeto, sem olhar para o goleiro. O veterano são-paulino, contudo, ergueu o pé, quase derrubando o jogador do Palmeiras, e ainda deu um tranco em Alan Kardec. Mas nada disso foi visto pelo chileno, que ignora a tentativa do rival.

“Não vi porque saí comemorando o gol. E o que ele fez não me interessa”, disse o camisa 10, que chega a dar um salto no momento em que quase é atingido pelo pontapé, como se, na verdade, estivesse ciente do que ocorria. Antes, contudo, ele vibrou erguendo o punho fechado bem perto do rosto de Ceni.

De qualquer forma, o meio-campista abriu um sorriso diante das perguntas sobre o ocorrido. “Espero que ele não tenha tido a intenção de me acertar, mas não vi”, afirmou, antes de adotar um tom irônico.

Ao ouvir um repórter que não viu a jogada apontar que seria improvável a tentativa de rasteira do camisa 01 tricolor, o riso do meia aumentou. “Claro, não acredito que um ídolo do futebol brasileiro tenha tentado me acertar. Como não vi, não posso falar”, prosseguiu, feliz.

Assim que deixou o Pacaembu, Valdivia colocou uma foto de sua comemoração e de seu filho no Instagram. A mensagem foi escrita em espanhol. “Silêncio silêncio!!! Filho, este gol foi para você, passou por uma operação na qual pedi a Deus para te cuidar. Te amo, meu filho, é meu anjo com sua irmã!!! Silêncio silêncio para eles."

Fernando Dantas/Gazeta Press
Meia comemorou em frente a Rogério Ceni e até pulou para escapar do pontapé, mas disse não ter visto nada e sorriu
O pedido de silêncio pode ser uma alusão à agressão que realmente sofreu de Rogério Ceni. Na semifinal do Paulista de 2008, o chileno fez o gol da classificação palmeirense no Palestra Itália e passou em frente ao goleiro com o dedo indicador na boca. Levou um tranco do zagueiro Miranda e, logo depois, Ceni empurrou seu rosto com a mão.

Gilson Kleina, por sua vez, não viu provocação nem tentativa de agressão de ninguém no lance. "O Valdivia, em momento algum, olhou para o Rogério Ceni. Ele está comemorando, estava muito feliz, e não vejo no gesto do Rogério se ele quis pegar ou não, só quis fazer uma cena. Não acredito, pelo quilate do Rogério, que quis provocar ou acertar um companheiro. Foi tudo superespontâneo e não teve provocação nenhuma", minimizou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade