Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Kardec garante não estar frustrado e segue com sonho de Seleção

São Paulo (SP)

Luiz Felipe Scolari resolveu não surpreender no complemento da lista de convocados para encarar a África do Sul, no dia 5 de março. O treinador das Seleção Brasileira voltou a chamar Fred e Jô para o ataque, descartando a possibilidade de levar Alan Kardec, um dos nomes mais cogitados nos dias que antecederam o chamado. O atacante do Palmeiras, no entanto, garante que não está frustrado e mostrou bastante otimismo com relação ao futuro com a ‘amarelinha’.

“Não me frustrei, já que o reconhecimento do trabalho que a comissão e a equipe vem fazendo esse ano já foi muito valido, ainda mais ter um jogador especulado na Seleção. Só o fato de as pessoas estarem comentando já é muito gratificante, não deixa de ser um sonho, algo que possa acontecer mais para frente”, disse o atacante do Palmeiras em entrevista ao programa Cartão Verde, da TV Cultura.

O camisa 14 alviverde, no entanto, garantiu que ainda tem esperanças de vestir a camisa da Seleção Brasileira no Mundial. Alan Kardec sabe que o cenário é desfavorável, principalmente pela confiança que Luiz Felipe Scolari tem em outros jogadores da posição, mas revela sonhar com uma convocação.

“Até que se encerre uma Copa do Mundo tem possibilidade, claro que nunca vou torcer para nenhum companheiro de profissão se machucar, mas esperança tem, apesar de ser 0,001. Eu sei que é muito difícil, mas esperança tem”, revelou Alan Kardec, que também esclareceu o episódio no qual Felipão visitou o CT do Palmeiras, afirmando que não houve nenhuma conversa entre as duas partes com relação a uma possível convocação

“Não houve nenhuma conversa, apenas um contato amistoso mesmo. Todos sabem que ele esteva na Academia acompanhando o treinamento do Palmeiras, se houve esse tipo de conversa entre comissão e Felipão, eu não sei, mas comigo não houve”, explicou o camisa 14 do Palmeiras,

Em ótima fase pelo time do Palestra Itália, Kardec tem ganhado destaque não só pelos gols marcados, mas também pela dedicação mostrada em campo para ajudar sua equipe. Desta forma, o atacante foge um pouco das características de seus concorrentes, como Fred e Jô, que mostram pouca movimentação em campo. Ao se descrever, no entanto, o jogador garante ser “um camisa 9” acima de tudo.

“Eu sou um típico camisa 9, fui criado como jogador de área e quando tive a passagem por Portugal eu acabei evoluindo em outros aspectos, Então depende do que acontece na partida, nunca serei um ponta ou camisa 10, sempre serei centroavante, mas farei outras funções”, concluiu o jogador.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade