Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Kleina ri de golaço que não viu e promete se controlar com árbitros

Piracicaba (SP)

Expulso durante o segundo tempo, Gilson Kleina brincou sobre o golaço de França que garantiu a vitória sobre o XV de Piracicaba, mas que ele não viu. Por isso, prometeu conter as reclamações com as arbitragens para ficar no banco de reservas até o final dos jogos e, assim, não perder mais lances como o de seu volante nesta quarta-feira.

“Minha expulsão foi por causa de reclamação, muitas faltas não foram dadas. Foi uma postura e ele entendeu que reclamei demais. Vou me controlar mais”, assegurou o treinador, que acumula expulsões e suspensões por exagerar na cobrança por lances em partidas desde quando estava na Ponte Preta, último clube antes de chegar ao Palmeiras.

Duas jogadas irritaram o técnico e seu auxiliar, Juninho, expulso ainda no primeiro tempo por conta de uma bola que atingiu a mão de um adversário dentro da área. Depois do intervalo, a exclusão de Kleina ocorreu após Raphael Macena gingar na frente de Lúcio, ser desarmado, ouvir o zagueiro gritar com ele e empurrar o veterano no chão. Ambos levaram amarelo, para desespero do treinador do Verdão.

“Ele colocou o apito na boca e não deu o pênalti. Depois, na falta no segundo tempo, o atacante ia no corpo do Lucio toda hora e ele deu cartão para o Lúcio. Estamos com dificuldade na zaga e já estou pensando no futuro”, disse Kleina, que, no momento, não tem outra opção no elenco a não ser improvisar o volante Marcelo Oliveira na zaga se perder Lúcio ou Wellington.

Por conta da expulsão de Kleina e de seu auxiliar, coube ao goleiro reserva Bruno ser técnico por pouco mais de dez minutos. Mas Kleina riu mesmo ao saber que o volante França deixou um adversário no chão com um drible desconcertante antes de bater de canhota para encobrir o goleiro e acertar o ângulo para garantir a vitória.

Divulgação
Técnico exagerou nas reclamações mais uma vez (Crédito da foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação)
“Não vi, só vibrei lá dentro. Vieram me falar que foi o França e que tinha sorte mesmo. Fiquei sabendo que ele cortou e acertou no outro ângulo, né? Falei que essa não era a característica dele, mas que continue fazendo isso”, sorriu, apontando que o meio-campista também executou sua função de marcador ao entrar no lugar do atacante Leandro.

“Fiz a substituição para ter mais um homem de contenção, de característica defensiva para controlar e a entrada do França controlou o jogo”, avaliou. “Fico feliz que mais um jogador está começando a aparecer, mas foi uma vitória de conjunto e comprometimento muito grande”, comemorou Kleina.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade