Futebol - ( - Atualizado )

Mano dá nota cinco ao Corinthians e questiona rótulo de "retranqueiro"

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Um mês e meio, duas vitórias, dois empates e quatro derrotas depois de voltar a trabalhar no dia a dia do Corinthians, Mano Menezes foi questionado sobre a avaliação que fazia da temporada alvinegra até aqui. O treinador deu nota cinco ao trabalho realizado até aqui.

“Mesmo com toda a transição pela qual estamos passando, nossos resultados dentro de campo poderiam ter sido melhores”, justificou o gaúcho, para quem as coisas estão melhorando. Após quatro derrotas seguidas, o time conseguiu dois empates e agora espera voltar a triunfar.

O último empate foi contra o Palmeiras, dono da melhor campanha do Estadual. Atuando com três volantes, o Corinthians teve uma força maior no meio-campo, foi superior ao longo de boa parte do jogo, perdeu gols e levou o gol que definiu o 1 a 1 aos 37 minutos do segundo tempo.

Quando Alan Kardec marcou de cabeça para a equipe alviverde, Mano acabara de trocar o atacante Romarinho, autor do gol alvinegro, pelo volante Jocinei. A substituição foi bastante questionada após a partida, e voltou a ser associada ao treinador uma palavra que o incomoda: retranqueiro.

“Não incomoda porque o que interessa é ser vencedor”, disse o gaúcho, falhando na tentativa de disfarçar a irritação. Na sequência, ele voltou a adotar uma de suas estratégias favoritas para justificar seus problemas, as dificuldades do antecessor Tite. “Até bem pouco tempo atrás, o time ganhava de 1 a 0 só e o técnico era questionado. Foi campeão da Libertadores e do mundo e está na história do clube.”

Djalma Vassão/Gazeta Press
Mano disse não se incomodar com a pecha de retranqueiro, mas argumentou: "Não sou"
De acordo com Mano, a palavra o acompanha por força dos jornalistas, “quem comenta e forma opinião”. Ele se recusou a dizer que errou ao sacar um dos melhores jogadores do Corinthians no Derby de domingo. “Ninguém falou que o Romarinho pediu para sair, né?”, argumentou, sem explicar se Jocinei pediu para entrar.

“Aceito críticas e erro, mas não temos que inventar fatos. Posso conviver com a fama de retranqueiro o resto da vida, mas não sou. Sabe o meio-campo que armei no Corinthians a primeira passagem: Cristian, Elias e Douglas. Não tinha nenhum primeiro volante. Eram três atacantes, Jorge Henrique, Ronaldo e Dentinho. Se isso é retranca...”

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade