Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Rafael Moura explica gesto à torcida: "Não é fácil ouvir o que ouvi"

Novo Hamburgo (RS)

Neste domingo, pela primeira vez na temporada, a equipe titular do Internacional foi posta à prova. E a impressão que ficou no torcedor colorado foi das melhores, já que seu time goleou o Cruzeiro-RS por 4 a 1, em partida válida pela quinta rodada do Campeonato Gaúcho. Porém, o lance que marcou o confronto porto-alegrense ocorreu após o segundo gol mandante, anotado pelo centroavante Rafael Moura.

Após desempatar o embate em Novo Hamburgo, o He-Man, contestado pelos torcedores colorados, que pediam por sua saída, foi em direção às arquibancadas e fez um gesto pedindo silêncio. A manifestação do jogador, que foi rapidamente repreendida pelos seus companheiros, fez com que os gritos de gol se transformassem em mais vaias.

Depois do apito final, com a goleada consolidada, o centroavante comentou sua atitude: “Eu fui extravasar, pois não é fácil ouvir o que ouvi, logo no primeiro jogo do ano. Só peço desculpas para o torcedor que está comigo. Para os outros, que são a minoria, o gesto foi merecido”, sintetizou, em entrevista à Rádio Gaúcha.

Adiante, Rafael Moura explicou o comportamento que o tirou do sério: “Me incomodou a hora que gritavam ‘Ei Abel, tira o Rafael’. Eu não tenho que provar nada para ninguém. Cheguei no Internacional com humildade e todos sabem o que faço. Essa situação não pode ocorrer, principalmente diante da minha família. Estou com esposa e filhas nas arquibancadas. Não mereço isso. Sou homem e dei uma resposta de igual pra igual”, explicou.

O próximo desafio do Internacional será nesta quarta-feira, diante do Pelotas, no estádio Boca do Lobo. O embate, válido pela sexta rodada do Estadual, será disputado às 22 horas (de Brasília).

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade