Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Rebelo espera solução equilibrada para o imbroglio da Portuguesa

Helder Júnior São Paulo (SP)

Aldo Rebelo não quer criar polêmica com Portuguesa e Fluminense, que seguem em disputa judicial para participar da Série A do Campeonato Brasileiro deste ano. Nesta segunda-feira, durante visita ao CT do São Paulo, o ministro do Esporte evitou como pôde se posicionar sobre o imbroglio. Mas também não se opôs a uma solução que não desagradará a nenhum dos envolvidos.

“Qualquer decisão que procure o equilíbrio nesse episódio será a mais bem recebida e a mais justa”, afirmou Rebelo, quando questionado se a melhor maneira de se resolver o problema seria manter Portuguesa e Fluminense na primeira divisão.

Com a permanência garantida dentro de campo, o time paulista acabou rebaixado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pela utilização irregular do meia Héverton no empate sem gols com o Grêmio, na última rodada do Brasileiro. A punição com a perda de quatro pontos na tabela de classificação salvou o Fluminense.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Desce? Ministro do Esporte acredita em uma solução justa para o imbroglio de Portuguesa e Fluminense
“Não apenas o STJD ainda tem uma decisão final a ser adotada, como o Ministério Público de São Paulo está participando da investigação”, observou Rebelo, lembrando que a queda da Portuguesa gerou uma série de ações de torcedores na Justiça comum. “A própria Justiça Desportiva dispõe de várias alternativas para reparar os erros da forma mais equânime possível”.

Mas qual seria a “forma mais equânime possível” no caso da Portuguesa? “As alternativas que a legislação oferece estão ao alcance da Justiça Desportiva. Não vou anunciar nada porque não quero parecer estar interferindo na decisão de um episódio que envolve mais de um interessado”, desconversou o ministro do Esporte, novamente propenso a não se indispor com os dois clubes.

Aldo Rebelo só se manifestou com mais contundência quando ouviu que a confusão nos tribunais poderia arranhar a imagem do país-sede da Copa do Mundo de 2014. A Fifa condena veementemente a interferência da Justiça comum em resoluções da Justiça Desportiva.

“Existem problemas no mundo do futebol no Brasil, na Itália, na França, na Espanha... A nossa imagem não depende apenas dos problemas criados aqui, mas também das soluções que encontramos. Que elas sejam justas, equilibradas e equânimes. Os erros devem ser reparados com esse espírito”, enfatizou Aldo Rebelo outra vez.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade