Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Refém de multa, Pato diz que gostaria de enfrentar Corinthians

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Contratado por empréstimo, Alexandre Pato só poderá enfrentar o Corinthians, clube que detém seus direitos econômicos, caso o São Paulo pague multa estabelecida em contrato. Independentemente disso, o atacante, criticado em sua passagem com a camisa alvinegra, admite que gostaria de enfrentar o agora (e pelos próximos quase dois anos) rival.

"Vai depender dos diretores. É óbvio que, se der para jogar, eu vou querer jogar, sim", disse o jogador, no início da tarde desta sexta-feira, pouco depois de ter sido apresentado com a camisa 11 recebida das mãos do vice-presidente de futebol João Paulo de Jesus Lopes, que não esboçou qualquer reação à resposta.

A multa a ser paga caso Pato participe de um clássico seria de cerca de R$ 1 milhão, de acordo com dirigentes corintianos. O São Paulo não confirmou a informação em nenhum momento, mas o diretor jurídico do clube, Leonardo Serafim dos Anjos, disse, antes ainda de concretizada a transferência, que se tratava de um valor "pagável".

A trava contratual foi firmada porque a negociação envolvia a troca de Pato por Jadson. O meia rescindiu o vínculo que se encerraria no final do ano com o São Paulo e assinou até o final de 2015 com o Corinthians. No entanto, ao contrário do atacante (cujo vínculo com o ex-clube vence apenas um ano depois do empréstimo), só está refém do pagamento de multa até o final desta temporada.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Pato admitiu desejo de enfrentar o Corinthians desde que a diretoria são-paulina arque com o pagamento da multa
Apesar de tratar o Corinthians como "página virada" neste momento, o novo camisa 11 são-paulino fez questão de agradecer aos cuidados recebidos durante a temporada passada, em seu retorno do futebol europeu para o Brasil, já que vinha convivendo com muitas lesões no Milan, entre 2007 e o final de 2012.

"Sou muito grato ao que aconteceu comigo no Corinthians, que me recuperou fisicamente, me deu toda a estrutura para que eu pudesse jogar o ano inteiro sem lesões", falou, lamentando apenas não ter tido "a sequência de jogos que gostaria de ter tido", tanto sob comando de Tite quanto com Mano Menezes.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade