Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Rummenigge quer que UEFA pressione PSG a cumprir Fair Play Financeiro

Düsseldorf (Alemanha)

Atual CEO do Bayern de Munique, o ex-jogador da seleção alemã Karl-Heinz Rummenigge cobrou, nesta quarta-feira, uma atenção especial da Uefa ao cumprimento das regras do “Fair Play Financeiro” por parte do Paris Saint-Germain.

“Eu não posso imaginar que o Paris Saint-Germain esteja cumprindo as regras do Fair Play Financeiro. Todos nós sabemos sobre o fluxo de dinheiro vindo do Catar – supostamente 200 milhões de euros (cerca de R$ 650 milhões) por temporada”, disse o dirigente durante a convenção Spobis, em Düsseldorf, na Alemanha.

Aprovado em 2009 pela Uefa, o Fair Play Financeiro determina que um clube pode atingir um déficit máximo de 45 milhões de euros (cerca de R$ 135 milhões). O Málaga, da Espanha, um dos clubes já punidos pela entidade máxima do futebol europeu, não poderá disputar a próxima competição europeia para a qual se classificar.

“Espero que Michel Platini (presidente da Uefa) leve esse assunto a sério. Clubes que quebram a regra do FPF devem pagar o preço. É um momento importante para a Uefa. Os clubes tiveram três anos para atingir as exigências e a Uefa não deveria aceitar nenhuma violação de regra. As pessoas talvez discordem de mim e de Platini, mas não deve ser possível que algum ricaço da Arábia Saudita ou Rússia possa decidir a Liga dos Campeões. Platini tem a mesma opinião que eu sobre isso. Os clubes alemães cumprem com o FPF, mas este não é o caso em toda a Europa. A Uefa deve cumprir com as regras. Os grandes clubes alemães vão lutar para manter seus times em conjunto se outros clubes não cumprirem com o FPF”, afirmou Rummenigge.

Propriedade da Autoridade de Investimentos do Catar, o Paris Saint-Germain fechou a temporada 2012-2013 com a quinta maior receita entre os clubes de futebol, segundo levantamento feito pela consultoria Deloitte. Com um faturamento de 398,8 milhões de euros (aproximadamente R$ 1,3 bilhão), o PSG ficou atrás do Bayern, terceiro da lista, que arrecadou (cerca de R$ 1,4 bilhão).

AFP
Karl-Heinz Rummenigge teme que bilionários prejudiquem o futebol europeu (foto: Christof Stache)

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade