Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Vinicius se sente como "criança que chora sem doce" quando não joga

William Correia São Paulo (SP)

Em sua primeira chance como titular no ano, Vinicius participou dos dois gols da vitória por 2 a 0 para o São Bernardo, mas fez questão de lembrar do período sem chances. O atacante chamou atenção em 2013, se machucou logo após a estreia do Palmeiras no centenário e perdeu tanto espaço que deixou de ser relacionado. Não escondeu sua tristeza pelo momento.

“Não só na Série B, a Libertadores foi a minha afirmação no Palmeiras. Querendo ou não, se você tirar o doce da criança, a criança chora. Eu, sem futebol, fico muito triste”, comparou o jogador de 20 anos e que está em sua quinta temporada como profissional no Verdão.

O discurso do atleta, porém, não é uma crítica a Gilson Kleina, que recebe até elogios. “No ano passado, tínhamos 40 ou 50 atletas e não se via cara feia no treino, só um grupo muito alegre e contente. Até o quarto reserva estava rindo e brincando. Isso é um excelente trabalho do Kleina”, enalteceu Vinicius, colocando-se como exemplo a quem pouco joga.

“Continuei trabalhando, pedindo a Deus e a chance apareceu. Infelizmente, as oportunidades aparecem com lesões, mas, felizmente, pude fazer partidas boas. Procurei ficar tranquilo, me condicionando e treinando até mais do que já estava. E está dando mais do que certo”, falou o atacante, que iniciou a jogada do gol de Alan Kardec e deu a assistência para Valdivia balançar as redes.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Atacante chegou a ficar fora até do banco neste ano, mas participou dos dois gols na primeira chance como titular
“É muito bom participar dos dois gols, fiquei muito feliz. Eu estava chateado porque não estava jogando, mas não posso desistir e deixar de trabalhar. Treinei e estive preparado quando a oportunidade apareceu”, continuou ensinando, avisando que a contratação de concorrentes nunca o incomodou.

“Sou uma pessoa que se cobra muito. Tenho meus defeitos e me cobro muito sendo titular absoluto ou terceira reserva”, garantiu. “Falei no ano passado que viriam mais contratações porque o elenco tem que ser forte e grande. Do nada, perdemos dois atacantes importantes, como o Diogo e o Leandro”, argumentou Vinicius,

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade