Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Visitante inusitado, representante da Lusa fala em “próximos passos”

Rio de Janeiro (RJ)

Nesta quinta-feira, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou a tabela básica do Campeonato Brasileiro da Série A de 2014. A Portuguesa, que foi rebaixada à Série B pela escalação irregular do meia Héverton, não aparece entre os 20 clubes participantes. Representante da Lusa na reunião do conselho técnico, o advogado Ricardo Cabezón revelou ter se sentido como um “visitante inusitado” do evento e deixou claro que a equipe paulista não desistirá de jogar a primeira divisão nacional em 2014.

A Portuguesa não foi convocada para a reunião desta quinta-feira. Minutos antes do evento, a CBF, através de seu advogado, Carlos Miguel Aidar, cassou todas as liminares obtidas em São Paulo, que alteravam as decisões da Justiça Desportiva. Assim, o time do Canindé só conseguiu entrar no evento – representado pelo advogado Ricardo Cabezón- graças a uma ação do juiz Marcello do Amaral Perino, da 42ª Vara Cível da Comarca de São Paulo.

Cabezón, entretanto, não teve direito a participação ativa no encontro. Entrou apenas como ouvinte. Logo na saída da reunião, porém, ele disse não ter se sentido intimidado. Relatou ter sido tratado com respeito e revelou que apenas se sentiu como um “visitante inusitado”. Na sequência, admitiu que a Lusa não desistirá de jogar a Série A em 2014.

“A CBF disse que hoje seria publicada (a tabela) no site. Não mostrou aos clubes. Fui recebido de forma muito respeitosa, me senti acolhido. Claro que, quando entrei sem ser aguardado, causou uma estranheza, mas não senti nenhum tipo de discriminação, muito pelo contrário. Não me senti um intruso, mas uma pessoa que não estava sendo aguardada. Um visitante inusitado”, declarou Cabezón.

O advogado ainda revelou o tema central da conversa desta quinta-feira. “O objetivo ali foi entrar em um consenso, de ter segurança jurídica para o campeonato, mas logo depois anunciaram que a CBF tinha conseguido derrubar a liminar”, disse. “Veremos os próximos passos”, acrescentou, deixando claro que a Portuguesa ainda não se convenceu de ter que jogar a segunda divisão nacional nesta temporada.

Isto ainda foi corroborado pelo presidente da Lusa, lídio Lico, e pelo vice-jurídico, Orlando Cordeiro de Barros. Eles se mostraram descontentes com a atitude tomada pela CBF nesta quinta-feira e defenderam que o clube entre na Justiça comum contra a CBF, algo que, até aqui, só foi feito por torcedores e por uma associação de defesa do consumidor. A diretoria rubro-verde fala em “não desistir da guerra” diante da CBF.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade