Atletismo/Jogos Sul-americanos - ( - Atualizado )

Duda mira Sul-americano e minimiza possível intervenção no joelho

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

A primeira competição de Mauro Vinícius da Silva, o Duda, como bicampeão mundial indoor será o Sul-americano de Santiago. Animado pelo recente título conquistado em Sopot, o saltador brasileiro minimiza uma possível intervenção no joelho esquerdo.

Duda desembarcou em São Paulo no começo da manhã desta terça-feira, mas não terá muito tempo para festejar o título alcançado na Polônia, já que embarca para a capital chilena às 5h50 (de Brasília) de quarta com a finalidade de brigar pelo título dos Jogos Sul-americanos.

“Não sei como vou estar em termos de resultado. Posso saltar 7,90m, 8,20m. Não sei realmente o que pode acontecer. Mas é uma competição internacional. Preciso chegar e fazer o meu melhor. Temos chances de conquistar mais um título”, afirmou Duda.

Teoricamente, o principal adversário de Duda em Santiago é o panamenho Irving Saladino, campeão mundial em Osaka-2007 e olímpico em Pequim-2008, treinado pelo brasileiro Nélio Moura. Com a marca de 8,10m, o saltador lidera o ranking mundial ao ar livre, mas ficou fora da final em Sopot.

O técnico Aristides Junqueira, mais conhecido como Tide, chegou a projetar um salto de 8,50m para Duda no Mundial Indoor. Atrapalhado por uma série de lesões durante a preparação para o torneio, o atleta ganhou o ouro com 8,28m, seu melhor resultado em pista coberta.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Otimista, campeão Mauro Vinícius da Silva, o Duda, espera escapar de uma possível intervenção no joelho esquerdo
Duda disputa a competição de salto em distância dos Jogos Sul-americanos na próxima sexta-feira e deve retornar ao Brasil no sábado. Na semana seguinte, o bicampeão mundial indoor passará por uma avaliação médica com o ortopedista Cristiano Laurino, da equipe BM&F.

O estafe de Duda deseja inscrevê-lo em competições no exterior durante o mês de maio, mas os planos podem ser modificados em caso de intervenção no joelho da perna esquerda, usada para impulsionar o salto. O procedimento seria simples, mas exigiria aproximadamente três semanas de inatividade.

Otimista, Duda espera escapar da possível intervenção. “Acho que não vai precisar fazer, porque não está doendo mais desde antes do Mundial Indoor. O problema é quando fica doendo muito. Mas se for necessário, é algo simples”, declarou o saltador.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade