Atletismo/Mundial Indoor - ( - Atualizado )

Duda ressalta superação e foco para chegar ao bicampeonato

Sopot (Polônia)

Aos 27 anos, Mauro Vinícius da Silva, mais conhecido como Duda, se tornou o primeiro brasileiro bicampeão mundial indoor de atletismo, neste sábado, ao vencer a prova de salto em distância em Sopot, na Polônia, repetindo o feito de Istambul, em 2012. Feliz em estar mais uma vez no lugar mais alto do pódio, o atleta não se esqueceu das dificuldades que passou e as lesões que teve que enfrentar para novamente faturar o ouro.

"Deus é sempre justo, deve sempre estar na frente. Mas o treino e o trabalho precisam ser fortes ou não chegaremos a nenhum lugar. Acho até que trabalhamos em excesso e então as lesões vieram. Só que não existe campeão mundial sem muito treino e dedicação. Eu treinei e tinha de fazer próximo do meu melhor. Então, é ter frieza para, na hora da prova, justificar o trabalho, ou seja, fazer o que foi treinado”, disse Duda em entrevista ao SporTV.

AFP
Assim como em 2012, Duda conquistou o ouro após sofrer com lesões

Focado, o brasileiro mostrou tranquilidade para realizar seu último salto, que determinou sua vitória. Antes da última rodada, ele era apenas o quinto colocado, mas não se incomodou com a pressão e saltou 8,28m. Com histórico de superações, o saltador mais uma vez não deixou dúvidas de que é capaz de dar a volta por cima.

Quando conquistou o ouro em 2012, Duda coroava uma temporada de trabalho duro, já que um ano atrás ele mal sabia se iria competir por conta de uma lesão no ligamento cruzado do joelho direito. Para a edição deste ano, o próprio atleta já havia comentado que não estaria em sua melhor forma fiísica devido às lesões no tendão de Aquiles e no joelho direito que o incomodaram nos últimos meses, mas, agora, após a conquista, ele cita que a importância do Mundial e a adrenalina do momento foram essenciais no último salto.

"Na hora de um Mundial não existe 60 ou 85%. Na hora da adrenalina, não sabemos bem o que acontece. O atleta põe o coração na ponta da sapatilha e ganha uma força extra. Isso também vem da energia positiva da torcida, que chega até aqui”, disse o brasileiro, ainda tentando entender o feito.

"Nunca imaginei ser um dia bicampeão mundial, mas o esporte é feito de superação. Importante é trabalhar para melhorar sempre”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade