Futebol/Campeonato Gaúcho - ( - Atualizado )

Árbitro lamenta pena por racismo e promete recorrer à Justiça comum

Porto Alegre (RS)

Márcio Chagas da Silva vivenciou um episódio lamentável ao apitar um jogo do Campeonato Gaúcho. O árbitro foi vítima de racismo na partida entre Esportivo e Veranópolis, em Bento Gonçalves, comovendo até mesmo a presidente Dilma Roussef. Nesta sexta-feira, porém, após saber o resultado da pena ao clube mandante do jogo, o juiz lamentou, prometendo ir à Justiça comum.

Para Márcio Chagas da Silva, o Esportivo, de Bento Gonçalves, deveria ser punido de forma severa, já que, além dos insultos racistas oriundos das arquibancadas, torcedores do clube quebraram o seu carro e colocaram bananas sobre a lataria. Sem se sentir derrotado, o árbitro alegou que agora vai procurar outros meios para obter uma punição maior aos responsáveis.

"Não me sinto derrotado. Já que a punição esportiva não teve o alcance que eu imaginei, vamos partir para a justiça comum. Vou me reunir com os advogados na segunda-feira para iniciar o processo", disse o indignado árbitro gaúcho, em entrevista ao jornal Estadão.

Nesta quinta-feira, o juiz visitou a presidente Dilma Roussef, e, ao lado do volante Tinga, que também foi vítima de racismo no futebol, discutiu o que pode ser feito para evitar a repetição desses episódios lamentáveis. Chateado com a punição, Márcio Chagas falou também sobre o conserto de seu carro, já que nada foi dito sobre o ocorrido no estacionamento do estádio do Esportivo.

O árbitro gaúcho lembrou que os atos de vandalismo aconteceram nas dependências do clube de Bento Gonçalves, que deveria arcar com as consequências. "Vou ter que fazer um orçamento, pagar o conserto e aguardar. Vou atrás dos meus diretos como cidadão. Achei que essa punição fosse prever algo com relação ao conserto do meu carro. Foi provado que aconteceu dentro do clube".

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade