Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Atacantes opõem experiência e juventude em fases majestosas

Helder Júnior e Tossiro Neto São Paulo (SP)

Luis Fabiano e Luciano têm mais em comum do que a primeira sílaba de seus nomes. Adversários no Majestoso deste domingo, os atacantes foram destaques de São Paulo e Corinthians nas últimas rodadas do Campeonato Paulista. Cada um marcou dois gols nas vitórias por 4 a 0 de suas equipes antes do clássico do Pacaembu.

As semelhanças, no entanto, não vão muito além. Centroavante titular da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2010, quando Luciano ainda nem era jogador profissional, Luis Fabiano já vivenciou fases tão boas quanto ou melhores do que a atual. E também experimentou o contrário.

No final do ano passado, o artilheiro de 33 anos cogitou deixar o São Paulo por ter sido crucificado nos momentos de crise. “Mas hoje ele é um jogador totalmente diferente. Está feliz. Quando o profissional não está bem consigo mesmo, é difícil. A gente não via nele a disposição de hoje. Ele entendeu, pela experiência que tem, que deveria melhorar. Artilheiro só fica contente com gols”, comentou o técnico Muricy Ramalho.

De fato, Luis Fabiano mudou o seu comportamento em 2014. Demovido da ideia de sair do Morumbi, o atacante se exercitou durante as férias e passou a encarar os treinamentos como fundamentais para combater as recorrentes contusões, conforme tem declarado. "Antes, eu me sentia um bagaço depois dos jogos. Agora, está tranquilo", sorriu.

Arte GE.Net
Corintiano Luciano e são-paulino Luis Fabiano são as principais esperanças de gols nesta tarde, no Pacaembu
Diferentemente do rival, Luciano ainda não conhece as dores de uma longa trajetória no futebol. O jogador de 20 anos que passou por Atlético-GO e Avaí antes de ganhar fama no Corinthians só corre o risco de parar no departamento médico por excesso de felicidade. “Pelo sorriso que ele não tira do rosto, deve estar sofrendo um pouquinho. Então, vou pedir para costurarem as laterais da boca dele”, brincou o técnico Mano Menezes.

Com as dificuldades que o Corinthians encontrou para se reforçar em 2014, Mano foi buscar Luciano depois de uma indicação do colega Abel Ribeiro, técnico do Metropolitano. Havia pedido que o amigo lhe recomendasse um jogador de "enorme potencial", porém sem tanto custo. "Só havia um assim em Santa Catarina. Era o Luciano", contou.

Apesar da fase iluminada de sua aposta, Mano sabe que a experiência poderá pesar contra Luciano no duelo particular com Luis Fabiano para decidir o Majestoso. O novato chegou até a ser blindado de entrevistas quando começou a aparecer, para que não se deslumbrasse. "Mas estou com a cabeça bem tranquila", ele garantiu, assim que voltou a se pronunciar.

Mano percebeu o mesmo em Luciano. A ponto de cogitar abrir mão da maturidade de Paolo Guerrero, autor dos gols no Mundial de Clubes de 2012, e mantê-lo como titular diante do São Paulo. "Existem muitas teorias sobre blindagem e tudo o mais, mas cada pessoa reage de uma maneira diferente. O Luciano está feliz, e assim as coisas tendem a dar mais certo. Ainda não dá para sabermos como ele será como jogador, pois só está começando agora. Passou a ser estudado pelo outro lado, que nem sabia como era o seu drible, o chute. Já existem algumas referências agora", comentou.

Para Luis Fabiano, já sobram referências. Uma delas vem do único jogador mais experiente que ele no elenco do São Paulo. "O Luis está bem melhor fisicamente do que no ano passado, sendo muito mais participativo, dando combate, ajudando. E, quando a bola chega, ele sabe como finalizar. Cabe ao jogador manter essa regularidade, o que é importante para o São Paulo e para ele mesmo", palpitou o goleiro e capitão Rogério Ceni.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade