Futebol/Copa do Brasil - ( )

Campo em Rio Preto é vestibular para o que Verdão encontrar em Vilhena

William Correia São Paulo (SP)

Os jogadores do Palmeiras, por enquanto, só ouvem maus relatos de que o Portal da Amazônia, estádio em que o Vilhena receberá o time na estreia na Copa do Brasil, na quarta-feira, em Rondônia. Mas nenhum comentário aflige a equipe. O elenco acredita que já passou por um vestibular ao superar o péssimo campo do Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, e vencer o Paulista, no domingo.

“Depois do que passamos no domingo... O campo era muito ruim, com muito buraco, poderíamos nos machucar. E ganhamos”, comentou França, sincero e se preocupando mais com os prejuízos físicos que podem ocorrer. “Se estiver cheio de lama, vamos nos prevenir para não ter lesão.”

A partida de domingo teve opinião unânime em relação ao estado do gramado. O Verdão reprovou o que encontrou. A análise é até um estímulo para explicar a atuação pouco convincente do time diante da equipe com pior campanha no Campeonato Paulista.

“Não fomos tão bem pelo estado do campo. Temos uma equipe muita técnica e o campo atrapalhou. Mesmo assim, conseguimos fazer três gols e somar mais três pontos”, continuou ressaltando França, também sincero ao demonstrar desconhecer o adversário desta quarta-feira.

“Não conheço o time deles, até porque voltei agora ao Brasil. Não tenho nenhuma informação. Mas o treinador deve falar para nós sobre eles”, afirmou o volante.

Djalma Vassão/Gazeta Press
França definiu o gramado do jogo de domingo como "muito ruim" e teme apenas lesões se tiver lama em Rondônia

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade